Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Furlan quer menos protecionismo do governo japonês na área agrícola 07/03/2007

 

São Paulo, 7/03/2007 - O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Luiz Fernando Furlan, defendeu ontem (6) que o Japão seja menos protecionista no campo agrícola para conseguir evoluir nas relações comerciais com o Brasil. O ministro lembrou que o Japão faz parte da coalizão dos países protecionistas que criou obstáculos para Rodada de Doha, da Organização Mundial do Comércio (OMC). “Essa mudança seria importante e uma percepção da oportunidade e não apenas uma visão defensiva no seu mercado doméstico”, afirmou.

O ministro observou que hoje para o Brasil e o Japão o mercado da China é mais importante comercialmente. Lembrou que cada um têm prioridades diferentes, mas que é preciso um esforço comum para que haja maior aproveitamento das oportunidades entre Brasil e Japão.

“Hoje para o Brasil a América Latina é um mercado muito mais importante do que o mercado japonês. Também é um movimento que veio de acordos comerciais nos últimos anos. Portanto seria muito importante que houvesse uma movimentação mais rápida de um acordo comercial entre Japão e o Mercosul”, disse Furlan.

Segundo Furlan, o Japão têm planos para adoção do etanol a partir de 2010, mas o país teme problemas de fornecimento em longo prazo. "A preocupação japonesa é que eles adotem uma política de introdução do etanol e não haja nenhum tipo de racionamento ou dificuldade logística ou de abastecimento. Então esses três anos, de 2007 a 2010, deverão ser muito ricos em investimentos, de maneira que no momento que o Japão adotar a mistura do etanol haja um abastecimento assegurado com uma equação de preços a longo prazo”, explicou.

Segundo o ministro, o mercado japonês pretende misturar inicialmente 3% de etanol, o que deverá totalizar 1,8 bilhão de litros por ano, aproximadamente metade da exportação brasileira do ano passado. A exportação brasileira hoje é de 3,5 bilhões de litros por ano. O ministro Furlan acredita que em 2010 o Japão poderá representar um quarto da exportação brasileira de etanol.

Furlan participou ontem (6) da abertura da 12ª Reunião Conjunta do Comitê Econômico Brasil-Japão, promovido pela Confederação Nacional da Indústria  (CNI) e pela confederação japonesa Nippon Keidanren.

 

 

 

 

 

Agência Brasil - Petterson Rodrigues

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



Últimas

2020/12/01 » Ipea: investimentos têm alta de 3,5% em setembro
2020/12/01 » Contas públicas registram saldo positivo após oito meses de déficit
2020/12/01 » Estimativa do mercado financeiro para a inflação sobe para 3,54%
2020/11/30 » ANP retoma a 17ª Rodada de Licitações
2020/11/30 » Corretoras poderão atuar com pagamentos de boletos a partir de janeiro
2020/11/30 » Confiança da indústria atinge maior valor em dez anos, diz FGV
2020/11/30 » Fiscalização do Procon-SP registra infração em 70% de lojas visitadas
2020/11/30 » Taxa de desemprego passa de 13,3% para 14,6% no terceiro trimestre
2020/11/30 » Inflação do aluguel sobe e acumula 24,52% em 12 meses
2020/11/27 » Volta de cobrança do IOF sobre crédito renderá cerca de R$ 2 bi
2020/11/27 » Indústrias do Mercosul e da UE pedem urgência para acordo comercial
2020/11/27 » Indústria paulista mantém expansão no ano apesar de queda em outubro
2020/11/26 » Expectativa de vida no Brasil sobe para 76,6 anos em 2019
2020/11/26 » Campos Neto: Pix vai gerar inclusão e reduzir custos para população
2020/11/26 » Vendas de máquinas e equipamentos têm alta de 16% em outubro
2020/11/25 » Anatel prevê leilão do 5G no final do primeiro semestre de 2021
2020/11/25 » Mercado de capitais analisa critérios socioambientais de empresas
2020/11/25 » Pix tem quase 4,4 milhões de portabilidade de chaves
2020/11/24 » Maioria dos reajustes até outubro teve ganhos reais, diz Dieese
2020/11/24 » Mercado aumenta previsão de inflação e prevê queda menor do PIB

Ver mais »