Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Maior consumo de etanol deve baratear preço do petróleo, prevê BM&F 15/03/2007

 

Rio de Janeiro, 15/03/2007 - A decisão de alguns países desenvolvidos de inserir e definir percentuais de participação do etanol em suas matrizes energéticas deve prolongar a vida útil do petróleo, avalia o diretor de Mercados Agrícolas da Bolsa de Mercadoria e Futuros (BM&F), Felix Schouchana. Falando à Agência Brasil, o especialista da BM&F disse que está é uma vantagem que o Brasil não pode deixar passar.

“Esta decisão esticará a vida útil do petróleo por mais alguns anos, vai baratear o preço do combustível, uma vez que o álcool tem um custo de produção menor do que o petróleo, e vai também ajudar na questão ambiental”, acredita. O economista lembra que o Brasil e os Estados Unidos respondem por cerca de 75% de todo o álcool produzido no mundo. No primeiro caso a produção é de 17 milhões de toneladas por ano e no segundo de 17,5 bilhões/ano.

“Algumas estatísticas mostram que ambos os países terão que triplicar a sua produção somente para atender as pretensões dos Estados Unidos de substitui em alguns anos em 20% o volume da gasolina comercializada no país pelo Etanol. Aí é que entra um grande problema: nos Estados Unidos o álcool é produzido a partir do milho e é mais caro e subsidiado. Então é uma equação ainda a ser resolvida”, salienta.

Para ele, “quem tem condições de crescer a produção de forma a atender a demanda doméstica e ainda abastecer o mercado internacional é exatamente o Brasil. Obviamente que outros países podem entrar nesta produção de álcool, principalmente na região dos trópicos, que é aonde a cana pode desenvolver de forma melhor, mas é o Brasil o principal agente”, afirma.

Na avaliação de Felix Schouchana,  o Brasil tem condições de, em até cinco anos, conseguir abastecer o mercado interno e, ainda por cima, atender à parte da demanda internacional. “Nós hoje produzimos estes 17 bilhões de litros de etanol por ano, dos quais 3,7 bilhões são exportados. Eu acho que em cinco anos estaremos produzindo o suficiente para atender ao mercado doméstico e ainda ter um excedente de 50% para ser exportado”.

 

 

 

 

Agência Brasil - Nielmar de Oliveira

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



Últimas

2020/12/01 » Ipea: investimentos têm alta de 3,5% em setembro
2020/12/01 » Contas públicas registram saldo positivo após oito meses de déficit
2020/12/01 » Estimativa do mercado financeiro para a inflação sobe para 3,54%
2020/11/30 » ANP retoma a 17ª Rodada de Licitações
2020/11/30 » Corretoras poderão atuar com pagamentos de boletos a partir de janeiro
2020/11/30 » Confiança da indústria atinge maior valor em dez anos, diz FGV
2020/11/30 » Fiscalização do Procon-SP registra infração em 70% de lojas visitadas
2020/11/30 » Taxa de desemprego passa de 13,3% para 14,6% no terceiro trimestre
2020/11/30 » Inflação do aluguel sobe e acumula 24,52% em 12 meses
2020/11/27 » Volta de cobrança do IOF sobre crédito renderá cerca de R$ 2 bi
2020/11/27 » Indústrias do Mercosul e da UE pedem urgência para acordo comercial
2020/11/27 » Indústria paulista mantém expansão no ano apesar de queda em outubro
2020/11/26 » Expectativa de vida no Brasil sobe para 76,6 anos em 2019
2020/11/26 » Campos Neto: Pix vai gerar inclusão e reduzir custos para população
2020/11/26 » Vendas de máquinas e equipamentos têm alta de 16% em outubro
2020/11/25 » Anatel prevê leilão do 5G no final do primeiro semestre de 2021
2020/11/25 » Mercado de capitais analisa critérios socioambientais de empresas
2020/11/25 » Pix tem quase 4,4 milhões de portabilidade de chaves
2020/11/24 » Maioria dos reajustes até outubro teve ganhos reais, diz Dieese
2020/11/24 » Mercado aumenta previsão de inflação e prevê queda menor do PIB

Ver mais »