Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Problemas da taxa de câmbio não serão resolvidos a curto prazo, diz ministro 05/04/2007

 

Brasília, 5/04/2007 - Os problemas provocados pela desvalorização do dólar em relação ao real não serão resolvidos a curto prazo, acredita o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Miguel Jorge. Para o ministro, a tendência é que o dólar se mantenha pouco acima dos R$ 2.

"Dificilmente a questão do câmbio será resolvida a curto prazo. A intervenção do Banco Central será pontual e não resolverá muito", afirmou, após encontro com o ministro da Fazenda Guido Mantega. O ministro Mantega acredita que a valorização do real frente ao dólar reflete os bons resultados da economia brasileira.

Com o dólar desvalorizado, Jorge defende que as indústrias têm de se tornar mais eficientes e produtivas para enfrentar a concorrência estrangeira. "Dificilmente haverá uma mudança substantiva no [valor do] dólar O que a indústria precisa fazer é ganhar produtividade, eficiência e se reinventar para concorrer [com os produtos importados e no âmbito internacional]".

Embora ache possível o governo adotar medidas que permitam a modernização da indústria, como a redução de impostos para bens de capital e equipamentos, sobretudo nos setores prejudicados pela queda do dólar, o ministro ressalta que só isso não resolveria o problema. "Há algumas áreas onde ainda pode ser feito [a redução de alíquotas]. Agora, a desoneração de impostos por si só não resolve, pois ela também é uma medida pontual, que resolve para algum setor que esteja passando por dificuldade”.

Já quanto à redução dos impostos cobrados de produtos importados com o objetivo de aumentar a importação e, assim, reduzir o saldo da balança comercial, Jorge também entende que é possível aplicar em alguns setores. "Mas não nos que já estão com problemas".

O ministro disse que não será porta-voz das queixas feitas por parte do setor industrial, como os setores automobilístico, têxtil e calçadista, prejudicados pela atual taxa de câmbio. "Quando você é ministro de um governo, você está em um time. São onze atacantes, que seguem orientação, e um técnico. Se os jogadores não seguem a orientação, substitui-se".

 

 

 

 

Agência Brasil - Alex Rodrigues

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



Últimas

2020/09/21 » Turismo: metade das operadoras vende viagens para novembro e dezembro
2020/09/21 » Covid-19: maioria dos estados segue sem aulas presenciais
2020/09/21 » O que é o Sistema S?
2020/09/18 » Lei Geral de Proteção de Dados entra em vigor
2020/09/18 » Confiança do empresário do comércio tem alta recorde em setembro
2020/09/18 » IBGE: desemprego na pandemia atinge maior patamar em agosto
2020/09/18 » CNI apresenta propostas para retomada da economia
2020/09/18 » Abertura de empresas cresce, enquanto fechamento recua em 8 meses
2020/09/18 » Governo já desembolsou R$ 197 bilhões em auxílio emergencial
2020/09/17 » Entidades elogiam decisão do Copom de manter a Selic
2020/09/17 » Prefeitura de São Paulo adota home office permanente
2020/09/17 » PIB tem queda de 4% no trimestre encerrado em julho, aponta FGV
2020/09/16 » Petrobras quer vender mais ativos de exploração e produção
2020/09/16 » Saques no comércio com Pix começam no 2º trimestre de 2021
2020/09/16 » Concessionária da Malha Paulista e Norte-Sul antecipa outorgas
2020/09/15 » Confiança do empresário industrial cresce pelo quinto mês consecutivo
2020/09/15 » União pode quebrar se forem criados novos fundos, diz Guedes
2020/09/15 » Medidas de ajuste fiscal podem gerar economia de R$ 816 bi em dez anos
2020/09/14 » Governo federal qualifica rodovias e portos no PPI
2020/09/14 » Indicador de Atividade Econômica aponta crescimento de 2,8% em julho

Ver mais »