Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Estudo do IBGE confirma relação entre escolaridade e capacidade de gasto 29/08/2007

 

Rio de Janeiro, 29/08/2007 - Estudo divulgado hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) confirmou a forte relação entre grau de escolaridade, rendimento e despesas. Com base nos dados da Pesquisa de Orçamentos Familiares dos anos de 2002 e 2003, o levantamento mostrou que as famílias nas quais a pessoa de referência (principal responsável pelas despesas da casa) tem 11 anos ou mais de estudo ganha, em média, cinco vezes mais do que as famílias cuja pessoa de referência tem menos de um ano de estudo.

De acordo com o levantamento, o primeiro grupo tem rendimentos médios mais elevados (R$ 3.796,00) e gasta mais (R$ 3.683,00). Por outro lado, os menores rendimentos médios (R$ 752,00) e as despesas mais reduzidas (R$ 769,00) foram verificados no segundo grupo.

O estudo revelou, ainda, que a existência de uma pessoa com nível superior aumenta em quase três vezes as despesas de uma família em relação a outra em que nenhum dos membros concluiu uma faculdade. Se houver mais do que uma pessoa, essa diferença pode ser cinco vezes maior. No Brasil, em 84% das famílias não há qualquer pessoa com nível de instrução superior.

O técnico do IBGE José Mauro de Freitas Júnior destaca que apesar de a educação ter avançado nas últimas décadas no Brasil, o ensino superior ainda é privilégio de poucos.

“Aproximadamente 40 milhões de famílias não contam com pessoas que tenham feito faculdade. Mesmo que o país venha experimentando mobilidade social, com filhos atingindo grau de instrução maior do que o de seus pais, a questão da escolaridade ainda é ínfima”, destacou.

Para o economista da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Marcelo Nery, esses dados reforçam a educação como principal fator capaz de impulsionar a renda.

“Isso só confirma o caráter fundamental que a educação tem para a melhoria das condições de vida da população. Com isso, as pessoas que têm mais educação gastam mais porque têm mais renda, mais possibilidades e se permitem consumir mais”, destacou.

 

 

 

 

 

Agência Brasil - Thaís Leitão

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



Últimas

2021/01/18 » Saiba o que é a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO)
2021/01/18 » China contribuiu com mais da metade do superávit comercial do Brasil
2021/01/18 » Produção agropecuária de 2020 alcança R$ 871 bilhões
2021/01/15 » MPT abre inquéritos para avaliar danos sociais do fechamento da Ford
2021/01/15 » BNDES financia segunda usina termelétrica no Porto do Açu
2021/01/15 » IBGE: indústria cresce em dez dos 15 locais pesquisados em novembro
2021/01/14 » Balança comercial do agronegócio soma US$ 100,81 bilhões em 2020
2021/01/14 » Conab estima colheita de 264,8 milhões de toneladas de grãos
2021/01/14 » IBGE: safra de 2021 deve superar recorde de 2020
2021/01/14 » Veja o que pode e o que não pode no Enem 2020
2021/01/13 » BNDES define consórcio que apoiará programa de aceleração de startups
2021/01/13 » Inflação da construção civil atinge 10,16% em 2020
2021/01/13 » Inflação para famílias com menor renda fecha 2020 com alta de 5,45%
2021/01/13 » Inflação oficial fecha 2020 em 4,52%, diz IBGE
2021/01/12 » Ministério pede avanço de reformas para manter fábricas no país
2021/01/12 » Preço da cesta básica aumentou em todas as capitais em 2020
2021/01/12 » Plataforma promove compartilhamento de materiais na economia
2021/01/11 » Como entrar em 2021 com as contas no azul
2021/01/11 » Digitalização de serviços públicos gera economia de R$ 2 bi por ano
2021/01/11 » Banco do Brasil renegocia R$ 40 milhões em dívidas por WhatsApp

Ver mais »