Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Investimentos no PIB superiores aos gastos mostram crescimento equilibrado, diz Iedi 12/09/2007

 

São Paulo, 12/09/2007 - O crescimento percentual do investimento no país bastante superior ao dos gastos das famílias e do governo mostra um crescimento econômico equilibrado, indica que a produção de bens e serviços está se antecipando ao consumo futuro. Foi o que destacou hoje (12) à Agência Brasil o economista-chefe do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi), Edgard Pereira, sobre os dados do Produto Interno Bruto (PIB), divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE). O economista também destacou o crescimento registrado na construção civil.

“O destaque que eu faria é para o comportamento dos investimentos. A formação bruta de capital fixo, que cresceu de maneira significativa, trimestre a trimestre do ano anterior, cresceu 13,8%. Este é um destaque positivo, que mostra um crescimento mais equilibrado da economia, na medida em que o investimento passa a crescer à frente das variáveis de consumo. O consumo das famílias, na mesma base de comparação, cresceu 5,7% e o do governo 3,4%”, informou.

O economista pôs em relevo também o crescimento da construção civil, que na comparação sazonal crescera 2,5% no primeiro trimestre. “Neste ano havia uma expectativa de que o setor tivesse um crescimento mais forte, estimulado até pela redução da taxa de juros, com a expansão da atividade do comércio, lojas, shoppings e também em habitação, com aquecimento do mercado imobiliário. E isso ainda não tinha sido visto no primeiro trimestre. Mas finalmente, no segundo trimestre, houve o crescimento, também na mesma base, segundo trimestre (2007) contra trimestre (2006) cresceu 6,3%, o que mostra que provavelmente o setor da construção civil está entrando em cena e isso é importante para dar sustentação à recuperação da economia”. A construção civil acumula um desenho anual de 4,4%.

Para Pereira, é a expansão do crédito, com a redução dos juros e a ampliação dos prazos de pagamento, que explica esse crescimento. Na indústria, com o aumento de vendas de automóveis e bens duráveis e, na construção civil, dos imóveis.  “Na base de recuperação dos dois setores está o mesmo fator, que é a ampliação do crédito. É exatamente essa expansão dos prazos de financiamento. (...) É a cota da particiapção do valor da prestação na renda corrente que é a variável que o consumidor leva em conta para garantir a sua aquisição. Com a ampliação dos prazos de pagamento esse valor cai”, diz.

 

 

 

 

 

Agência Brasil - Paulo Montoia

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



Últimas

2020/02/27 » Contas públicas tem superávit recorde de R$ 44,12 bi em janeiro
2020/02/27 » Veja as dicas da OMS para se proteger do novo coronavírus
2020/02/27 » Com 11 casos, SP lidera registro de suspeitos de coronavírus no país
2020/02/21 » Polícia Rodoviária Federal inicia Operação Carnaval nesta sexta-feira
2020/02/21 » Escolas de samba movimentam economia durante todo ano no Rio
2020/02/20 » Banco Central injeta R$ 135 bilhões na economia
2020/02/20 » Programa para fazer Declaração do Imposto de Renda já está disponível
2020/02/20 » Prévia da inflação oficial fica em 0,22% em fevereiro
2020/02/19 » Comissão Europeia quer criar mercado único de dados
2020/02/19 » Confiança da indústria cai em fevereiro depois de 3 altas seguidas
2020/02/19 » Confiança da indústria cresce 0,7 ponto na prévia de fevereiro
2020/02/18 » Economia segue em processo de recuperação gradual, diz BC
2020/02/18 » FGV: economia brasileira cresceu 1,2% em 2019
2020/02/18 » Rodovias terão estabelecimentos regulamentados para motoristas
2020/02/17 » Associação alerta motoristas sobre riscos no trânsito durante carnaval
2020/02/17 » Estimativa do mercado financeiro para inflação cai para 3,22%
2020/02/17 » Começam a valer medidas da Caixa para estimular construção civil
2020/02/14 » Atividade econômica cresce 0,89% em 2019
2020/02/14 » Cerca de 25% dos desempregados procuram emprego há mais de dois anos
2020/02/14 » Taxa de desemprego cai em 16 estados, revela IBGE

Ver mais »