Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
CNI aumenta para 4,7% a estimativa de crescimento do PIB 26/09/2007

 

Brasília, 26/09/2007 – A Confederação Nacional da Indústria (CNI) revisou para cima as projeções para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) e da indústria neste ano.  Baseados no bom desempenho da indústria no segundo trimestre, os técnicos da CNI destacam, no boletim Informe Conjuntural, que, a indústria, em especial a de transformação, será o carro-chefe do crescimento no segundo semestre.


Na avaliação da CNI, a demanda externa por produtos de grande peso na pauta de exportações brasileiras e o contínuo aumento da demanda interna ajudarão o Brasil a crescer 4,7% neste ano. A estimativa anterior, divulgada em julho, era que o PIB cresceria 4,5%. A revisão divulgada hoje no boletim  Informe Conjuntural é a segunda no ano. Em janeiro, a expectativa era que o PIB teria expansão de 4,2%.

O PIB industrial deverá crescer 4,4% em 2007. A estimativa anterior, feita em julho, era de alta de 4%. Os técnicos da entidade lembram ainda que o bom momento está presente na maioria dos setores industriais e que um em cada quatro cresce a um ritmo de dois dígitos.

A CNI projeta um crescimento de 4,3% para a indústria de transformação. A contribuição do segmento para a formação do PIB global deve ser de 0,8 pontos percentuais. A projeção para a indústria extrativa mineral é de 5%, com uma contribuição de 0,2 pontos percentuais para o PIB global. O setor da construção civil deverá crescer 4,5%, com uma contribuição de 0,2 pontos percentuais para o PIB global. Os serviços industriais de utilidade pública deverão crescer 4,2% ante 2006, contribuindo com 0,2 pontos percentuais para o PIB.

INFLAÇÃO -  O Informe Conjuntural da CNI alerta, no entanto, que a manutenção do ritmo de crescimento da indústria nos próximos anos não está garantida. "O principal fator que se destaca como potencial limitador do crescimento é o aumento recorrente das taxas de inflação a partir de abril", escrevem os técnicos da CNI. "Essa pressão abre a possibilidade para o Comitê de Política Monetária (Copom) interromper a trajetória de queda de juros, o que pode restringir a expansão do crédito e contrair a demanda, em especial de bens de maior valor agregado", complementam.

De acordo com os técnicos da CNI, parte da forte expansão da demanda interna baseia-se numa política fiscal bastante expancionista, e essa contradição leva a um aperto monetário maior do que seria necessário. As despesas do governo crescem a um ritmo de 10% ao ano em 2007, lembram os técnicos.

Os Indicadores Industriais de julho mostraram que a utilização da capacidade instalada aumentou 2 pontos percentuais ante o mesmo mês do ano passado e atingiu 82,5%. Contudo, os economistas da CNI não vêem nisso um problema de restrição da demanda, uma vez que a taxa de investimentos cresceu 13,8% no segundo trimestre deste ano ante igual período de 2006, e o consumo aparente de máquinas e equipamentos, calculado pelo Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (Ipea) cresceu 19,5% no mesmo período. "Há indícios claros de crescimento da capacidade produtiva no Brasil, o que reduz os eventuais riscos de restrição à oferta de produtos a médio prazo", explicam os técnicos da CNI.

 

 

 

 

Agência CNI

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



Últimas

2019/11/19 » Petrobras reajusta gasolina em 2,8% nas refinarias
2019/11/19 » Setor de infraestrutura tem feito "mais com menos", diz secretário
2019/11/19 » Déficit primário encerrará o ano abaixo de R$ 80 bilhões, diz Guedes
2019/11/18 » Instituições financeiras elevam expectativa de inflação para 3,33%
2019/11/18 » Com Selic em queda, poupança pode passar a render menos que a inflação
2019/11/14 » Atividade econômica cresce 0,91% no terceiro trimestre
2019/11/14 » Caixa e BB iniciam quinta fase de pagamento de abono do PIS/Pasep
2019/11/14 » Reformas vão tornar Brasil mais atrativo a negócios, diz Bolsonaro
2019/11/14 » Reformas vão tornar Brasil mais atrativo a negócios, diz Bolsonaro
2019/11/13 » Privatização da Eletrobras deve reduzir tarifas para os consumidores
2019/11/13 » Caixa reduz para 4,99% a taxa de juros do cheque especial
2019/11/13 » Ministro diz que reforma da Previdência já atrai investidores
2019/11/12 » Setor de serviços cresce 1,2% em setembro, aponta IBGE
2019/11/12 » Cresce apoio do BNDES a projetos de micro, pequenas e médias empresas
2019/11/12 » Países do Brics buscam investimentos privados para infraestrutura
2019/11/12 » Faturamento do mercado de seguros cresceu 18,6% em setembro
2019/11/11 » Brics fomenta cooperação entre economias emergentes há 13 anos
2019/11/11 » Impostos dificultam pequenos e médios negócios, dizem empresários
2019/11/11 » IBGE revisa PIB de 2017 de 1% para 1,3%
2019/11/08 » Indicador da FGV mostra dificuldade de reação do mercado de trabalho

Ver mais »