Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Estudo do Banco Mundial diz que Brasil deve investir mais em educação 10/10/2007

 

Brasília, 10/10/2007 - Na era da competição global acirrada, a situação da educação no Brasil indica que, provavelmente, o país ficará atrás de outras nações na corrida por investimentos e oportunidades de expansão da economia. A conclusão é do estudo Brasil: Conhecimento e Inovação para a Competitividade (Brazil: Knowledge and Innovation for Competitiveness), realizado pelo Banco Mundial (Bird).

O levantamento será o ponto de partida para maior conscientização da sociedade e dos empresários sobre a necessidade do investimento na formação dos trabalhadores. Com isso, o Brasil atingirá um estágio mais elevado de inovação na indústria, caminho para o crescimento econômico e diminuição das desigualdades sociais.

O presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Armando Monteiro Neto, e representantes do Banco Mundial no Brasil assinaram nesta terça-feira, 9 de outubro, em Brasília, memorando de entendimento para a tradução, edição e impressão do estudo em português. Depois, o estudo será distribuído a empresas, sindicatos, federações de indústrias e escolas, entre outros.

De acordo com Renato Caporali, gerente-executivo da Unidade de Cooperação Internacional da CNI, o trabalho do Bird analisa a competitividade brasileira em termos de recursos humanos comparada a dos principais países em desenvolvimento, como Coréia do Sul, China, Índia e Rússia, concorrentes do  Brasil no mercado internacional. "O estudo constata uma radical dificuldade na formação básica das habilidades para o trabalhador lidar com o processo produtivo", avaliou Caporali. "Isso gera, portanto, impacto negativo na aptidão do empregado e das empresas brasileiras de produzir inovação", completou.

O Banco Mundial demonstra que as empresas brasileiras, em especial as do setor industrial, investem na formação de mão-de-obra nos mesmos níveis de seus concorrentes de mesmo porte. "Mas muito do investimento brasileiro é para recuperar o que o trabalhador não aprendeu no ensino fundamental, enquanto que em outros países o investimento é mais na especialização", disse Caporali.

O estudo conclui que "a falha em gerar capacidades básicas nos primeiros estágios educacionais gera conseqüências em termos de competitividade global". Reconhece ilhas de excelência no Brasil, como nos setores de extração e refino de petróleo, de aviação e de pesquisa agropecuária. Mas ressalta que, para uma estratégia de incentivo à inovação em empresas de pequeno e médio portes, "é necessário um constante fornecimento de mão-de-obra qualificada".

A tradução, edição e impressão do estudo em português deve ficar pronta no início de 2008. A intenção da CNI é divulgá-lo  em todo país, com a ajuda das federações de indústrias, promovendo debates locais com professores, educadores, formuladores de políticas públicas e empresários.

 

 

 

 

Agência CNI

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



Últimas

2019/11/19 » Petrobras reajusta gasolina em 2,8% nas refinarias
2019/11/19 » Setor de infraestrutura tem feito "mais com menos", diz secretário
2019/11/19 » Déficit primário encerrará o ano abaixo de R$ 80 bilhões, diz Guedes
2019/11/18 » Instituições financeiras elevam expectativa de inflação para 3,33%
2019/11/18 » Com Selic em queda, poupança pode passar a render menos que a inflação
2019/11/14 » Atividade econômica cresce 0,91% no terceiro trimestre
2019/11/14 » Caixa e BB iniciam quinta fase de pagamento de abono do PIS/Pasep
2019/11/14 » Reformas vão tornar Brasil mais atrativo a negócios, diz Bolsonaro
2019/11/14 » Reformas vão tornar Brasil mais atrativo a negócios, diz Bolsonaro
2019/11/13 » Privatização da Eletrobras deve reduzir tarifas para os consumidores
2019/11/13 » Caixa reduz para 4,99% a taxa de juros do cheque especial
2019/11/13 » Ministro diz que reforma da Previdência já atrai investidores
2019/11/12 » Setor de serviços cresce 1,2% em setembro, aponta IBGE
2019/11/12 » Cresce apoio do BNDES a projetos de micro, pequenas e médias empresas
2019/11/12 » Países do Brics buscam investimentos privados para infraestrutura
2019/11/12 » Faturamento do mercado de seguros cresceu 18,6% em setembro
2019/11/11 » Brics fomenta cooperação entre economias emergentes há 13 anos
2019/11/11 » Impostos dificultam pequenos e médios negócios, dizem empresários
2019/11/11 » IBGE revisa PIB de 2017 de 1% para 1,3%
2019/11/08 » Indicador da FGV mostra dificuldade de reação do mercado de trabalho

Ver mais »