Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Alimentos continuam pressionando a inflação, diz economista da Fipe 11/06/2008

 

São Paulo, 11/06/2008 - Os itens alimentícios na cidade de São Paulo subiram em média 5,25%, no período de janeiro a maio deste ano e, para o mês de junho, devem ter alta de 3,3%, segundo projeção feita hoje (11), pelo economista Márcio Nakane, coordenador da pesquisa sobre o Índice de Preços ao Consumidor (IPC), da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe).

Ele prevê que, no ano, ocorra um aumento de 11% neste grupo, desde que se confirme expectativa de uma melhoria no quadro no segundo semestre. “Tudo vai depender do comportamento da economia e de como ficarão os preços diante de eventuais repasses sobre aumentos de custos de produção”, alertou Nakane.

O economista afirmou que, apesar da alta que vem sendo observada nos alimentos, a taxa em junho deverá ser um pouco inferior à da primeira prévia do mês (3,68%), que foi a mais elevada dos últimos seis anos.

Nakane fez uma simulação de como o aumento dos preços dos alimentos pesa sobre a inflação. Segundo ele, caso os preços deste grupo tivessem ficado estáveis, o IPC teria oscilado em apenas 0,48%, bem abaixo da medição de 1,30%, observada na primeira prévia de junho.

Por causa das elevações dos alimentos, o economista refez a previsão para o IPC de junho, alterando a taxa de 0,94% para l,03%. O arroz continua liderando o movimento de alta, sendo cotado até 21,86% mais caro do que na quadrissemana anterior.

O segundo sub-item de maior peso na composição inflacionária é energia elétrica (2,20%), seguida por reparo no domicílio (3,5%). “À exceção dos alimentos, observamos que todos os demais grupos já mostram desacelerações”, apontou Nakane.

Ele informou que o sub-item habitação foi o que teve o maior impacto dos gastos mais elevados com reparos no domicílio e energia elétrica, embora tenha tido ligeira desaceleração, passando de 0,74% para 0,73%. Pelas projeções do economista da Fipe, o grupo habitação poderá até cair para a metade e apresentar variação de 0,34%.

Ele apontou que um dos efeitos que também colaborou para a alta deste grupo, na primeira prévia do mês, foi o reajuste dos materiais de construção. “A mudança na cobrança do ICMS [ Imposto Sobre a Circulação de Mercadorias], no estado de São Paulo, também contribuiu para onerar os preços”, disse Nakane, referindo-se ao recolhimento que passou a ser feito junto à indústria e não mais em cada elo da cadeia de produção e comercialização.

 

 

 

 

 

Agência Brasil - Marli Moreira

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



Últimas

2020/02/21 » Polícia Rodoviária Federal inicia Operação Carnaval nesta sexta-feira
2020/02/21 » Escolas de samba movimentam economia durante todo ano no Rio
2020/02/20 » Banco Central injeta R$ 135 bilhões na economia
2020/02/20 » Programa para fazer Declaração do Imposto de Renda já está disponível
2020/02/20 » Prévia da inflação oficial fica em 0,22% em fevereiro
2020/02/19 » Comissão Europeia quer criar mercado único de dados
2020/02/19 » Confiança da indústria cai em fevereiro depois de 3 altas seguidas
2020/02/19 » Confiança da indústria cresce 0,7 ponto na prévia de fevereiro
2020/02/18 » Economia segue em processo de recuperação gradual, diz BC
2020/02/18 » FGV: economia brasileira cresceu 1,2% em 2019
2020/02/18 » Rodovias terão estabelecimentos regulamentados para motoristas
2020/02/17 » Associação alerta motoristas sobre riscos no trânsito durante carnaval
2020/02/17 » Estimativa do mercado financeiro para inflação cai para 3,22%
2020/02/17 » Começam a valer medidas da Caixa para estimular construção civil
2020/02/14 » Atividade econômica cresce 0,89% em 2019
2020/02/14 » Cerca de 25% dos desempregados procuram emprego há mais de dois anos
2020/02/14 » Taxa de desemprego cai em 16 estados, revela IBGE
2020/02/13 » Abate de bovinos cai e o de suínos e frangos sobe no último trimestre
2020/02/13 » Setor de Serviços fecha 2019 com crescimento de 1%
2020/02/13 » Coronavírus: subida exponencial de mortes e casos. O que mudou?

Ver mais »