Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Economia brasileira foi a menos atingida pela crise econômica mundial, diz OCDE 13/01/2009

 

Brasília, 12/01/2009 - O Brasil é o país que menos sofreu com a crise econômica mundial, segundo pesquisa divulgada hoje (12) pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). De acordo com o documento, a economia brasileira teve um recuo de apenas 2.9 pontos e recebeu a classificação de atividade em “declínio”.

O estudo, que se baseou em dados do mês de novembro do ano passado, aponta “forte desaceleração” na União Européia, Ásia, Estados Unidos e nas grandes economias emergentes. O levantamento inclui os 30 países membros da OCDE e outras cinco importantes economias que não integram o grupo, entre elas às do chamado Brics – Brasil, Rússia, Índia e China.

O índice, considerado uma média dos indicadores econômicos, gira em torno de 100. A OCDE classifica como em expansão economias com índice em crescimento e acima de 100. São definidas como em declínio economias acima de 100, mas com tendência de recuo na atividade econômica. Países com indicadores abaixo de 100, mas em crescimento, são classificados como em recuperação. Já aqueles com índice abaixo de cem, e com economia em retração, são definidos como em desaceleração.

O Brasil é o único que manteve classificação acima de 100 no segundo semestre de 2008. Em novembro, índice da OCDE ficou em 101,2 pontos, contra 102,3 em outubro, 103,2 em setembro, 103,9 em agosto e 104,1 em julho.

A Rússia foi o país com pior desempenho em novembro. O índice, de 89,8 pontos, é um pouco superior ao da China, mas representa recuo de 13,8 pontos na comparação com o mesmo período do ano passado.

Como em praticamente todos os países, a queda vem se acentuando desde julho. Na China o índice ficou em 88,5 – 12,9 pontos abaixo da média de indicadores econômicos de novembro de 2007. Na Índia a desaceleração de novembro foi de 7,6 pontos frente ao mesmo período do ano.

Todas as grandes economias mundiais também registraram “forte desaceleração”, com índices abaixo de 100 desde julho.

A maior economia do mundo, os Estados Unidos receberam índice 92,2 pontos em novembro, uma queda de 8,7 pontos na comparação com novembro de 2007. No japão, país com segundo maior Produto Interno Bruto (PIB) do mundo, o recuo foi de 5,5 pontos em relaçãoe ao mesmo período do ano anterior, e o índice de novembro ficou em 93,7 pontos. Na Alemanha, terceira no ranking mundial, o índice da OCDE ficou em 91,6 pontos - queda de 10,7 pontos.

O cenário não foi melhor nos países da zona do euro. A queda em relação a novembro de 2007 foi de 7,6 pontos, com índice de 94,3 pontos. Considerando-se as cinco maiores economias asiáticas (China Índia, japão, Indonésia e Coréia), a atividade econômica recuou 9,5 pontos, merecendo classificação de 91,6 pontos. Já os membros da OCDE registraram desaceleração de 7,3 pontos no confronto com novembro de 2007, com índice geral de 93,8 pontos. (Agência Brasil - Mylena Fiori)



Últimas

2020/08/14 » Mercado de seguros tem queda de 3,5% no ano devido à pandemia
2020/08/14 » OMS minimiza risco de novo coronavírus entrar na cadeia alimentar
2020/08/14 » Paulo Guedes anuncia novos secretários especiais
2020/08/13 » Soros produzidos por cavalos têm anticorpos potentes para covid-19
2020/08/13 » Instituto alemão diz que vacina pode estar disponível logo
2020/08/13 » Lucro líquido da Eletrobras chega a R$ 4,6 bilhões no trimestre
2020/08/12 » Conselho do FGTS aprova distribuição de R$ 7,5 bi para trabalhadores
2020/08/12 » Guedes diz que não apoia eventual tentativa de furar teto de gastos
2020/08/12 » Produção industrial cresce em 14 locais em junho, diz IBGE
2020/08/11 » Vendas para China preveniram choque nas exportações, diz Guedes
2020/08/11 » Débitos de difícil recuperação com o Simples podem ser parcelados
2020/08/11 » Auxílio emergencial manteve economia ativa em municípios mais pobres
2020/08/10 » Sem título
2020/08/10 » SP ultrapassa 25,1 mil mortes causadas por covid-19
2020/08/10 » Como é feita média móvel de casos de covid-19
2020/08/07 » MP destina R$ 1,99 bilhão para viabilizar vacina contra covid-19
2020/08/07 » Cursos de qualificação profissional têm alta demanda na pandemia
2020/08/07 » Senai ensina indústrias a produzirem EPI contra novo coronavírus
2020/08/06 » Bolsonaro sanciona lei de negociação de dívidas das micro empresas
2020/08/06 » Baixa inflação permitiu corte nos juros, avaliam entidades

Ver mais »