Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Crise preocupa América Latina com protecionismo e desemprego 19/02/2009

 

Brasília, 17/02/2009 - A crise financeira deve estabelecer um novo ambiente de monitoramento e regulação estatal das atividades econômicas, em substituição à situação de grande liberdade de movimentação do capital. A possibilidade de aumento da intervenção do Estado na economia já começa a ser avistada nos anúncios de encampação de bancos norte-americanos e ingleses, nas políticas monetárias de aumento de crédito e nas medidas fiscais expansivas para ativar a produção e estimular o consumo.

O diagnóstico foi traçado no seminário Crise Econômica Internacional promovido pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) e pela Cepal (Comissão Econômica para América Latina e Caribe) hoje (17), em Brasília. Para os economistas palestrantes, os países latino-americanos não estão no epicentro da crise, mas duas nuvens carregadas pairam sobre o céu do subcontinente: fechamento de postos de trabalhos e aumento de barreiras comerciais entre parceiros regionais.

De acordo com Janine Berg, do Departamento de Estratégias de Emprego da OIT (Organização Internacional do Trabalho), a crise deve levar ao desemprego, ao aumento da informalidade nas contratações e ao descumprimento da legislação trabalhista. Há risco de mais pobreza e deterioração do padrão de vida, e aumento do trabalho forçado e do trabalho infantil. “Não podemos debilitar ainda mais o trabalho das pessoas excluídas”, afirmou.

Oswaldo Kacef, da Divisão de Desenvolvimento da Cepal, não acredita no aumento de “situações extremas” de exploração da mão-de-obra, mas dá como certo o aumento da informalidade e do desemprego. Para Renato Baumann, diretor do escritório da Cepal no Brasil, a crise vai afetar principalmente as mulheres e as pessoas mais jovens. “O desemprego afeta indivíduos com menor capacidade de competir no mercado de trabalho, seja por necessidades familiares, falta de qualificação ou mesmo preconceito”, disse.

A receita para sair da crise, dizem os economistas, é o investimento público. “É preciso o Estado compensar a redução do investimento privado”, acredita Alfredo Calcagno, economista sênior da Unctad (Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento). “É hora de fazer políticas expansivas. Não é o momento para ajustes para acalmar mercados. Isso não funcionou nos últimos anos e vai ser menos razoável tentar agora”, afirmou o economista que não teme que o gasto estatal e a queda dos juros possam trazer inflação.

Na avaliação dos economistas, o Estado gastar mais é mais efetivo do que as políticas monetárias de aumento de crédito ou desconto de impostos, que pode ser usado para quitar dívidas ou para a poupança sem incentivar consumo, produção e emprego.

O argentino Alfredo Calcagno defende a maior integração regional e prega contra o protecionismo. “Um risco neste momento é um país impor barreiras contra um país vizinho. A integração regional pode ser uma resposta positiva para superar a crise”. O mesmo ponto de vista tem Renato Baumann,  para quem as trocas comerciais regionais podem dar “complementariedade” às economias dos países. (Agência Brasil - Gilberto Costa)



Últimas

2020/09/29 » CNI: confiança do empresário industrial cresce em todos os setores
2020/09/29 » Prazo de entrega da declaração do ITR acaba na quarta-feira
2020/09/29 » União libera R$ 5 bi para financiar MEI, micro e pequena empresa
2020/09/28 » Intenção de consumo das famílias volta a crescer após cinco quedas
2020/09/28 » Petrobras inicia venda de dois campos de petróleo de águas profundas
2020/09/28 » Governo economiza R$ 1 bilhão com trabalho remoto de servidores
2020/09/25 » Projeto do Senai vai qualificar trabalhadores para a indústria 4.0
2020/09/25 » Primeiro leilão de imóveis públicos do Rio será em outubro
2020/09/25 » CMN amplia limite de renda para microcrédito a empresas
2020/09/24 » Custos industriais caem 1,5% no segundo trimestre
2020/09/24 » Ministro da Economia diz que reforma deve ter tributos alternativos
2020/09/24 » Contas externas têm saldo positivo de US$ 3,7 bilhões
2020/09/23 » Conab avalia que Brasil terá segunda maior safra de café em 2020
2020/09/23 » CNI: atividade industrial segue em recuperação com alta do emprego
2020/09/23 » Indicadores recentes sugerem recuperação parcial da economia, diz BC
2020/09/22 » Brasil terá cota adicional na exportação de açúcar aos EUA
2020/09/22 » Estudo brasileiro aponta que covid-19 pode causar danos cerebrais
2020/09/22 » Mercado financeiro reduz projeção de queda da economia para 5,05%
2020/09/21 » Turismo: metade das operadoras vende viagens para novembro e dezembro
2020/09/21 » Covid-19: maioria dos estados segue sem aulas presenciais

Ver mais »