Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Consórcio estuda alternativa para fertilizantes importados na área de biocombustíveis 11/05/2009

 

Rio de Janeiro, 11/05/2009 - Um consórcio de instituições, coordenado pelo Centro de Tecnologia Mineral (Cetem) do Ministério da Ciência e Tecnologia, está desenvolvendo um estudo estratégico sobre minerais alternativos aos fertilizantes importados atualmente pelo Brasil para uso na indústria de biocombustíveis. A pesquisa, feita a pedido do governo federal, tem financiamento da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), com recursos de R$ 400 mil, oriundos do Fundo Setorial Mineral.

Segundo o coordenador do estudo, Francisco Fernandes, do Cetem, atualmente, o Brasil é o terceiro maior importador mundial de potássio e rocha fosfática, minerais básicos para a produção de fertilizantes. Ele informou que, no ano passado, a importação de agrominerais chegou a US$ 3,4 bilhões.

"O Brasil importa em torno de 80% dos fertilizantes usados na produção agrícola. Como a política do governo prevê a expansão dos biocombustíveis líquidos à base de soja e de cana-de-açúcar, será preciso adquirir no exterior mais fertilizantes, que representam um quarto do custo agrícola."

Fernandes disse que vem daí o interesse em pesquisas para identificação de minerais alternativos, que levem a um modelo de adubação mais adequado para o Brasil do que o modelo adotado pelos países do Primeiro Mundo, que têm estações bem definidas no ano. “Estamos em um país tropical com grande intemperismo [conjunto de processos que levam à degradação e decomposição das rochas] e precisamos de um modelo mais adequado”, destacou o pesquisador. O modelo adotado no Brasil usa três substâncias básicas: nitrato, fosfato e potássio (NPK). A pesquisa procura uma rota alternativa, buscando rochas que também tenham esses elementos químicos.

Além do interesse em descobrir um modelo de adubação adaptado ao clima e à cultura do Brasil, pretende-se mostrar que o país tem reservas minerais importantes, que ainda não foram exploradas e poderiam ser postas em operação. Assim as substâncias para os fertilizantes passariam a ser extraídas dos minérios locais. Simultaneamente, as concessionárias das minas deveriam expandir a produção, acrescentou Fernandes.

Segundo ele, tais empresas tomaram conta do mercado e impedem o desenvolvimento dos biocombustíveis. “Três empresas controlam o setor e não andam muito interessadas em tirar o minério nacional. Não estão fazendo investimentos suficientes para ampliar a sua escala. E, ao mesmo, controlam a distribuição. Controlam o consumo e, até, são grandes importadoras”, afirmou Fernandes.

Uma das minas, localizada em Minas Gerais, tem 250 anos de vida útil. Isso significa que a escala de produção é pequena e poderia ser duplicada, passando a vida útil a ser de 125 anos. Fernandes insistiu que as trading companies (companhias comerciais exportadoras) estão produzindo “uma quantidade insignificante para as necessidades do país e também para o volume das jazidas brasileiras”. Se a capacidade produtiva das minas existentes aumentar, a dependência brasileira da importação de fertilizantes poderia cair para 40% em dois anos.

O pesquisador disse que os minerais que poderão resultar em fertilizantes fabricados no Brasil não deverão ser agressivos ao meio ambiente. “A ideia é que, através de processos tecnológicos amigáveis, isto é, com utilização de tecnologias limpas, essas substâncias possam se transformar em adubos minimamente agressivos ao meio ambiente.”

Fernandes pretende apresentar ao governo federal as primeiras conclusões do estudo em janeiro do ano que vem. “Vamos produzir uma agenda de prioridades para o governo, de longo prazo.” (Agência Brasil - Alana Gandra)



Últimas

2020/10/28 » Apoio emergencial do BNDES a empresas na pandemia alcança R$ 105 bi
2020/10/28 » Programa para ampliar produtividade das empresas é retomado
2020/10/28 » Confiança da construção cresce 3,7 pontos em outubro, diz FGV
2020/10/27 » Guedes diz que acordos políticos dificultam privatizações
2020/10/27 » CMN aprova regulação simplificada para projetos inovadores
2020/10/27 » Mercado financeiro eleva projeção da inflação para 2,99%
2020/10/26 » Contas externas têm em setembro sexto mês seguido de saldo positivo
2020/10/26 » Petrobras inicia venda de campos terrestres em Sergipe
2020/10/26 » Banco Central registra recorde de remessas de dólares para o Brasil
2020/10/23 » Ministério da Infraestrutura entregará planos de logística até 2050
2020/10/23 » OMS: risco de pegar covid-19 em aviões é "muito baixo", mas não zero
2020/10/23 » Cresce pauta sobre home office nas negociações trabalhistas
2020/10/22 » Confiança da indústria atinge maior nível em nove anos
2020/10/22 » Opas: América Latina não deve relaxar enfrentamento à pandemia
2020/10/22 » Faturamento do setor de turismo no Brasil tem redução de 33,6% em 2020
2020/10/21 » Setor mineral brasileiro tem resultado positivo no 3º trimestre
2020/10/21 » Decreto inclui Linha 2 do metrô de BH em programa de privatizações
2020/10/21 » Não investir no Brasil será um grande erro, afirma ministro
2020/10/21 » Inflação do aluguel sobe de 18,20% para 20,56% em 12 meses
2020/10/20 » Pacote comercial abre caminho para acordo mais amplo, diz governo

Ver mais »