Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Nova estimativa do governo prevê expansão de 0,7% para o PIB 19/05/2009

 

Rio de Janeiro, 19/05/2009 - A previsão para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), a soma dos bens e serviços produzidos no país, deverá ficar em torno de 0,7%. A previsão deve ser divulgada amanhã (20), segundo o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo. “Vai ser diminuída a projeção. Ela é bem parecida com essa”, afirmou. A projeção anterior era de crescimento do PIB em torno de 2,1%.

O ministro admitiu que crescer 0,7% “é muito pouco”.  “Nós tínhamos que crescer 4%”, afirmou. Não adianta, contudo, chorar pelo leite derramado, disse. A saída é trabalhar duramente para chegar ao  segundo semestre em condições de ter um crescimento mais acelerado. “É isso que nós estamos fazendo”. As projeções para o PIB consideram as recentes pesquisas relativas à indústria, comércio e emprego, principalmente.

Paulo Bernardo afirmou que o governo está apostando que, com o aumento da atividade econômica, haverá também expansão da arrecadação federal. No último quadrimestre, a arrecadação do governo federal teve queda de 7,1%, alcançando R$ 218,8 bilhões.

O ministro disse que já houve uma melhora em relação ao resultado apurado no último trimestre do ano passado e no início deste ano. Observou, por outro lado,  que além da queda na arrecadação, as reduções de impostos  concedidas pelo governo a partir do final de 2008 representaram quase R$ 21 bilhões.

“Isso  quer dizer que aqueles cortes que foram feitos já estão na nossa conta. Nós já estamos trabalhando com  esses números para o  nosso cenário fiscal para este ano. Se houver novos cortes de impostos, nós vamos ter que fazer uma adequação em termos de despesa também”, afirmou.

Ao participar do Fórum Nacional, promovido pelo Instituto Nacional de Altos Estudos (Inae), na sede do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o ministro do Planejamento informou que a redução de impostos promovida pelo governo federal significou R$ 50 bilhões a menos para uma receita programada de R$ 850 bilhões. Ou seja, uma redução de cerca de 7%.

Amanhã (20), o Ministério do Planejamento envia ao Congresso Nacional o ajuste do relatório orçamentário. Mas, Paulo Bernardo não acredtia que os R$ 50 bilhões poderão ser superados. “Essa conta é que a que nós já tínhamos. O número de R$ 50 bilhões é arredondado. Pode ser um bilhãozinho a mais, um bilhãozinho a menos”, disse. (Agência Brasil - Alana Gandra)



Últimas

2019/09/19 » Intenção de consumo das famílias cresce 0,3% em setembro, diz CNC
2019/09/19 » Confiança de empresário industrial fica estável em setembro
2019/09/19 » Copom reduz Selic para 5,5% ao ano
2019/09/16 » Brasil eleva em 9,5% comércio com EUA, mas diminui com outros países
2019/09/16 » IGP-10 tem inflação de 0,29% em setembro
2019/09/16 » Mercado financeiro espera por redução da Selic para 5,5% ao ano
2019/09/13 » Aprovada, reforma das telecomunicações depende agora de regulamentação
2019/09/13 » Dispositivos digitais abrem novas possibilidades na saúde
2019/09/13 » Você tem direito a sacar o FGTS? Teste seus conhecimentos
2019/09/13 » Agências da Caixa ampliam horário nesta sexta para saques do FGTS
2019/09/12 » Indicador mostra alta de 2,6% no consumo de bens da indústria em julho
2019/09/12 » Abate de bovinos e suínos cresce no segundo trimestre no país
2019/09/12 » Setor de serviços cresce 0,8% de junho para julho no país, diz IBGE
2019/09/11 » Comércio varejista cresce 1% em julho
2019/09/11 » Código do Consumidor completa 29 anos; teste seus conhecimentos
2019/09/11 » Novas tecnologias digitais auxiliam produção no campo
2019/09/10 » Safra de grãos deve fechar 2019 com crescimento de 5,9% , diz IBGE
2019/09/10 » ANP inicia 1º ciclo da oferta permanente de blocos de petróleo e gás
2019/09/10 » Produção industrial recua em oito dos 15 locais pesquisados em julho
2019/09/10 » Governo aumenta previsão de crescimento da economia para 0,85%

Ver mais »