Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Produção voltou ao nível do segundo trimestre de 2007, diz economista do IBGE 09/06/2009

 

Rio de Janeiro, 9/06/2009 - Os reflexos da crise financeira mundial sobre a economia brasileira ficaram mais evidentes de janeiro a março de 2009 do que nos últimos três meses de 2008. A avaliação é da economista do IBGE, Rebeca Palis, gerente de Contas Nacionais, para quem a produção do país retrocedeu ao mesmo patamar de 2007.

De acordo com Rebeca, a queda de 0,8% do Produto Interno Bruto (PIB) – soma dos bens e serviços produzidos pelo país – no primeiro trimestre desse ano, em relação ao mesmo período do ano passado, mostra retração mais acentuada de algumas atividades em relação ao desempenho da economia nos últimos três meses de 2008, quando o PIB registrou queda de 3,6%.

“Esse trimestre foi o mais afetado. O PIB teve uma queda na comparação de trimestre com trimestre, o que não ocorria desde o quarto trimestre de 2001”, afirmou. “Se você olha o nível de produção, teríamos retrocedido ao mesmo nível do segundo trimestre  de 2007”, completou a economista.

Embora o cenário de duas quedas consecutivas do PIB possa ser considerado tecnicamente uma recessão na avaliação de alguns economistas, o IBGE questiona o conceito, alegando que a definição é “simplista” e não confiável para analisar a economia brasileira.

“O uso de recessão é um conceito teórico que envolve uma redução da atividade econômica com vários fatores, renda, emprego, vendas, comércio e PIB”, rebateu o coordenador de Contas Nacionais, Roberto Olinto do IBGE. “Preferimos não nos posicionar. O melhor caminho é uma análise do ciclo, em um período de tempo mais longo”, reforçou.

Pela ótica da demanda, contribuíram para retração do PIB no primeiro trimestre a queda da atividade industrial (-3,1%) e da agropecuária (-0,5%), esta última afetada pela alteração no ciclo de chuvas. Do lado do consumo, a queda histórica do nível de investimentos (12,6%) e das exportações (16%) também influenciou negativamente o resultado.

“Os investimentos têm um comportamento mais volátil. Tendem a crescer sempre mais quando a economia está crescendo e cair mais que o PIB, quando o indicador apresenta queda. É normal”, explicou Rebeca Palis, em referência à menor taxa de investimentos (Formação Bruta de Capital Fixo) dos últimos 13 anos. (Agência Brasil - Isabela Vieira)



Últimas

2020/08/07 » MP destina R$ 1,99 bilhão para viabilizar vacina contra covid-19
2020/08/07 » Cursos de qualificação profissional têm alta demanda na pandemia
2020/08/07 » Senai ensina indústrias a produzirem EPI contra novo coronavírus
2020/08/06 » Bolsonaro sanciona lei de negociação de dívidas das micro empresas
2020/08/06 » Baixa inflação permitiu corte nos juros, avaliam entidades
2020/08/06 » Copom reduz juros básicos da economia para 2% ao ano
2020/08/05 » Dezenas de empresas aderem à Semana Brasil 2020
2020/08/05 » Semana Brasil terá edição 2020 e deve ajudar na retomada da economia
2020/08/05 » Governo de Osaka planeja estudar eficácia de gargarejo no combate ao coronavírus
2020/08/04 » BNDES seleciona fundos de crédito não bancário para pequenas empresas
2020/08/04 » Balança comercial tem superávit recorde de US$ 8,06 bilhões em julho
2020/08/04 » Governo economiza R$ 466 milhões com a máquina pública na pandemia
2020/08/03 » Japonesa Seven & i Holdings pagará US$ 21 bilhões pela rede americana Speedway
2020/08/03 » Fábricas de veículos no Japão retornam gradualmente à produção normal
2020/08/03 » Covid-19: OMS prevê que pandemia durará muito tempo
2020/08/03 » Confira pagamentos e tributos adiados ou suspensos durante a pandemia
2020/07/31 » Auxílio emergencial elevou em 24% renda pré-pandemia, mostra pesquisa
2020/07/31 » Ministro da Infraestrutura diz que Brasil vive revolução ferroviária
2020/07/31 » Petrobras reduz em 4% preço da gasolina nas refinarias nesta sexta
2020/07/30 » Confira pagamentos e tributos adiados ou suspensos durante a pandemia

Ver mais »