Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Produção voltou ao nível do segundo trimestre de 2007, diz economista do IBGE 09/06/2009

 

Rio de Janeiro, 9/06/2009 - Os reflexos da crise financeira mundial sobre a economia brasileira ficaram mais evidentes de janeiro a março de 2009 do que nos últimos três meses de 2008. A avaliação é da economista do IBGE, Rebeca Palis, gerente de Contas Nacionais, para quem a produção do país retrocedeu ao mesmo patamar de 2007.

De acordo com Rebeca, a queda de 0,8% do Produto Interno Bruto (PIB) – soma dos bens e serviços produzidos pelo país – no primeiro trimestre desse ano, em relação ao mesmo período do ano passado, mostra retração mais acentuada de algumas atividades em relação ao desempenho da economia nos últimos três meses de 2008, quando o PIB registrou queda de 3,6%.

“Esse trimestre foi o mais afetado. O PIB teve uma queda na comparação de trimestre com trimestre, o que não ocorria desde o quarto trimestre de 2001”, afirmou. “Se você olha o nível de produção, teríamos retrocedido ao mesmo nível do segundo trimestre  de 2007”, completou a economista.

Embora o cenário de duas quedas consecutivas do PIB possa ser considerado tecnicamente uma recessão na avaliação de alguns economistas, o IBGE questiona o conceito, alegando que a definição é “simplista” e não confiável para analisar a economia brasileira.

“O uso de recessão é um conceito teórico que envolve uma redução da atividade econômica com vários fatores, renda, emprego, vendas, comércio e PIB”, rebateu o coordenador de Contas Nacionais, Roberto Olinto do IBGE. “Preferimos não nos posicionar. O melhor caminho é uma análise do ciclo, em um período de tempo mais longo”, reforçou.

Pela ótica da demanda, contribuíram para retração do PIB no primeiro trimestre a queda da atividade industrial (-3,1%) e da agropecuária (-0,5%), esta última afetada pela alteração no ciclo de chuvas. Do lado do consumo, a queda histórica do nível de investimentos (12,6%) e das exportações (16%) também influenciou negativamente o resultado.

“Os investimentos têm um comportamento mais volátil. Tendem a crescer sempre mais quando a economia está crescendo e cair mais que o PIB, quando o indicador apresenta queda. É normal”, explicou Rebeca Palis, em referência à menor taxa de investimentos (Formação Bruta de Capital Fixo) dos últimos 13 anos. (Agência Brasil - Isabela Vieira)



Últimas

2019/11/12 » Setor de serviços cresce 1,2% em setembro, aponta IBGE
2019/11/12 » Cresce apoio do BNDES a projetos de micro, pequenas e médias empresas
2019/11/12 » Países do Brics buscam investimentos privados para infraestrutura
2019/11/12 » Faturamento do mercado de seguros cresceu 18,6% em setembro
2019/11/11 » Brics fomenta cooperação entre economias emergentes há 13 anos
2019/11/11 » Impostos dificultam pequenos e médios negócios, dizem empresários
2019/11/11 » IBGE revisa PIB de 2017 de 1% para 1,3%
2019/11/08 » Indicador da FGV mostra dificuldade de reação do mercado de trabalho
2019/11/08 » Petrobras recebe oferta de R$ 3,7 bilhões por Liquigás Distribuidora
2019/11/08 » Governo aumenta projeção de crescimento do PIB para 0,90%
2019/11/07 » Inflação de outubro é a menor para o mês desde 1998
2019/11/07 » Índice que serve de base para reajuste salarial tem variação de 2,76%
2019/11/07 » Seis em cada 10 empresários querem investir, mostra pesquisa do Sebrae
2019/11/07 » Poupança tem menor retirada líquida para outubro em cinco anos
2019/11/05 » Índice de Preços ao Produtor fica em 0,45% em setembro
2019/11/05 » Copom espera crescimento da economia brasileira no terceiro trimestre
2019/11/05 » Bolsa volta a bater recorde e aproxima-se dos 109 mil pontos
2019/11/05 » Índice-chave da Bolsa de Valores de Tóquio registra maior nível do ano
2019/11/05 » Premiês japonês e chinês preparam visita oficial do presidente da China ao Japão
2019/11/05 » Países do RCEP discutem futuro do acordo sem a Índia

Ver mais »