Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Produção voltou ao nível do segundo trimestre de 2007, diz economista do IBGE 09/06/2009

 

Rio de Janeiro, 9/06/2009 - Os reflexos da crise financeira mundial sobre a economia brasileira ficaram mais evidentes de janeiro a março de 2009 do que nos últimos três meses de 2008. A avaliação é da economista do IBGE, Rebeca Palis, gerente de Contas Nacionais, para quem a produção do país retrocedeu ao mesmo patamar de 2007.

De acordo com Rebeca, a queda de 0,8% do Produto Interno Bruto (PIB) – soma dos bens e serviços produzidos pelo país – no primeiro trimestre desse ano, em relação ao mesmo período do ano passado, mostra retração mais acentuada de algumas atividades em relação ao desempenho da economia nos últimos três meses de 2008, quando o PIB registrou queda de 3,6%.

“Esse trimestre foi o mais afetado. O PIB teve uma queda na comparação de trimestre com trimestre, o que não ocorria desde o quarto trimestre de 2001”, afirmou. “Se você olha o nível de produção, teríamos retrocedido ao mesmo nível do segundo trimestre  de 2007”, completou a economista.

Embora o cenário de duas quedas consecutivas do PIB possa ser considerado tecnicamente uma recessão na avaliação de alguns economistas, o IBGE questiona o conceito, alegando que a definição é “simplista” e não confiável para analisar a economia brasileira.

“O uso de recessão é um conceito teórico que envolve uma redução da atividade econômica com vários fatores, renda, emprego, vendas, comércio e PIB”, rebateu o coordenador de Contas Nacionais, Roberto Olinto do IBGE. “Preferimos não nos posicionar. O melhor caminho é uma análise do ciclo, em um período de tempo mais longo”, reforçou.

Pela ótica da demanda, contribuíram para retração do PIB no primeiro trimestre a queda da atividade industrial (-3,1%) e da agropecuária (-0,5%), esta última afetada pela alteração no ciclo de chuvas. Do lado do consumo, a queda histórica do nível de investimentos (12,6%) e das exportações (16%) também influenciou negativamente o resultado.

“Os investimentos têm um comportamento mais volátil. Tendem a crescer sempre mais quando a economia está crescendo e cair mais que o PIB, quando o indicador apresenta queda. É normal”, explicou Rebeca Palis, em referência à menor taxa de investimentos (Formação Bruta de Capital Fixo) dos últimos 13 anos. (Agência Brasil - Isabela Vieira)



Últimas

2019/09/19 » Intenção de consumo das famílias cresce 0,3% em setembro, diz CNC
2019/09/19 » Confiança de empresário industrial fica estável em setembro
2019/09/19 » Copom reduz Selic para 5,5% ao ano
2019/09/16 » Brasil eleva em 9,5% comércio com EUA, mas diminui com outros países
2019/09/16 » IGP-10 tem inflação de 0,29% em setembro
2019/09/16 » Mercado financeiro espera por redução da Selic para 5,5% ao ano
2019/09/13 » Aprovada, reforma das telecomunicações depende agora de regulamentação
2019/09/13 » Dispositivos digitais abrem novas possibilidades na saúde
2019/09/13 » Você tem direito a sacar o FGTS? Teste seus conhecimentos
2019/09/13 » Agências da Caixa ampliam horário nesta sexta para saques do FGTS
2019/09/12 » Indicador mostra alta de 2,6% no consumo de bens da indústria em julho
2019/09/12 » Abate de bovinos e suínos cresce no segundo trimestre no país
2019/09/12 » Setor de serviços cresce 0,8% de junho para julho no país, diz IBGE
2019/09/11 » Comércio varejista cresce 1% em julho
2019/09/11 » Código do Consumidor completa 29 anos; teste seus conhecimentos
2019/09/11 » Novas tecnologias digitais auxiliam produção no campo
2019/09/10 » Safra de grãos deve fechar 2019 com crescimento de 5,9% , diz IBGE
2019/09/10 » ANP inicia 1º ciclo da oferta permanente de blocos de petróleo e gás
2019/09/10 » Produção industrial recua em oito dos 15 locais pesquisados em julho
2019/09/10 » Governo aumenta previsão de crescimento da economia para 0,85%

Ver mais »