Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Alimentos elevam em 0,43% inflação medida pelo IPC-S da primeira semana do mês 09/06/2009

 

Rio de Janeiro, 9/06/2009 - Quatro das sete cidades pesquisadas pelo Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) da Fundação Getulio Vargas mostraram aumento da inflação no início deste mês.

O IPC-S referente à semana encerrada em 7 de junho foi divulgado hoje (9) pelo Instituto Brasileiro de Economia (IBRE) da FGV e revela variação de 0,43% no período. O resultado é superior em quatro pontos percentuais à taxa apurada em 31 de maio passado.

 

No Rio de Janeiro, o IPC-S subiu de 0,34% para 0,46%. Em São Paulo, a taxa atingiu 0,34%, contra 0,30% no final de maio. Na capital mineira, continuou o processo de deflação (-0,06), embora não tão expressivo como na semana anterior (-1,16%). E, em Porto Alegre, o índice permaneceu praticamente estável e subiu de 0,35% para 0,36%.

 

Segundo o economista do Ibre, André Braz, o grupo alimentação foi o principal responsável pela elevação dos preços no período. Depois de uma queda acentuada dos produtos in natura, no período anterior, o que está se observando agora são quedas menores, “mesmo porque existe um limite para essas quedas”.

Ele acredita que as frutas e as hortaliças, por exemplo, já atingiram o limite de redução de preços. “E, agora, nós estamos vendo um período de aceleração gradual. Ainda há taxas negativas, ma, já há uma clara tendência de aceleração”.

 

Outros produtos, como arroz, feijão e laticínios, este último por conta da entressafra, começam a ensaiar aumentos fortes, conforme o economista. “Por isso, é natural esperar aumentos do preço do leite, pelo menos até o final do mês de julho ou princípio de agosto”.

 

Na avaliação de André Braz, está havendo uma aceleração, mas ele não acredita que o fenômeno não vá levar ao aumento muito significativo dos preços dos alimentos. “É mais ou menos um ajuste, por conta de quedas muito intensas que aconteceram no médio prazo”.

Pela pesquisa da FGV, também foram observadas elevações nos preços administrados, como tarifa de energia, o que também influenciou o resultado do IPC-S regional da primeira semana de junho.

 

André Braz observou que esse efeito, no entanto, não é duradouro e vai se diluir ao longo do mês de junho, contribuindo para que o índice não suba ainda mais. A tendência até a próxima divulgação do índice, programada para o dia 17 deste mês, é que a inflação continue subindo “mas, moderadamente”. (Agência Brasil - Alana Gandra)



Últimas

2019/09/19 » Intenção de consumo das famílias cresce 0,3% em setembro, diz CNC
2019/09/19 » Confiança de empresário industrial fica estável em setembro
2019/09/19 » Copom reduz Selic para 5,5% ao ano
2019/09/16 » Brasil eleva em 9,5% comércio com EUA, mas diminui com outros países
2019/09/16 » IGP-10 tem inflação de 0,29% em setembro
2019/09/16 » Mercado financeiro espera por redução da Selic para 5,5% ao ano
2019/09/13 » Aprovada, reforma das telecomunicações depende agora de regulamentação
2019/09/13 » Dispositivos digitais abrem novas possibilidades na saúde
2019/09/13 » Você tem direito a sacar o FGTS? Teste seus conhecimentos
2019/09/13 » Agências da Caixa ampliam horário nesta sexta para saques do FGTS
2019/09/12 » Indicador mostra alta de 2,6% no consumo de bens da indústria em julho
2019/09/12 » Abate de bovinos e suínos cresce no segundo trimestre no país
2019/09/12 » Setor de serviços cresce 0,8% de junho para julho no país, diz IBGE
2019/09/11 » Comércio varejista cresce 1% em julho
2019/09/11 » Código do Consumidor completa 29 anos; teste seus conhecimentos
2019/09/11 » Novas tecnologias digitais auxiliam produção no campo
2019/09/10 » Safra de grãos deve fechar 2019 com crescimento de 5,9% , diz IBGE
2019/09/10 » ANP inicia 1º ciclo da oferta permanente de blocos de petróleo e gás
2019/09/10 » Produção industrial recua em oito dos 15 locais pesquisados em julho
2019/09/10 » Governo aumenta previsão de crescimento da economia para 0,85%

Ver mais »