Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Ata do Copom diz que projeções para inflação estão abaixo do centro da meta 20/03/2009

 

Brasília, 19/03/2009 - As projeções de inflação estão abaixo do centro da meta, que é de 4,5% para este ano e para 2010. A informação consta da ata do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central.

A meta é estabelecida, com base no Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) e tem margem de tolerância que vai de 2,5% a 6,5%. Cabe ao Banco Central perseguir essa meta e o instrumento utilizado para controlar a inflação é a taxa básica de juros, a Selic.

O Copom aumenta os juros quando considera que a trajetória e a tendência da inflação estão em alta e reduz quando ocorre o inverso. Na última reunião do Copom, realizada nos dias 10 e 11 deste mês, os juros básicos caíram de 12,75% para 11,25% ao ano. Em janeiro, a redução foi de um ponto percentual.

Segundo a ata, no cenário de referência, que leva conta a manutenção da taxa de câmbio em R$ 2,40 e da taxa Selic no patamar anterior de 12,75% ao ano, a projeção para a inflação em 2009 está abaixo do centro da meta de 4,5%.

No cenário de mercado, que leva em conta as trajetórias das estimativas de analistas de mercado para câmbio e juros, “a projeção de inflação para 2009 também recuou em relação ao valor considerado na última reunião do Copom e encontra-se abaixo do valor central para a meta de inflação”.

“Para 2010, a projeção de inflação, segundo o cenário de referência, recuou ligeiramente em relação ao valor considerado na última reunião do Copom e encontra-se sensivelmente abaixo do valor central de 4,50% e, no cenário de mercado, também diminuiu e posiciona-se abaixo do valor central de 4,50%”

Na ata, o Copom considera, portanto, que ainda há “margem” para a redução da Selic, mas reforça que a política monetária “deve manter uma postura cautelosa”.

 

De acordo com o documento, há sinais de “arrefecimento” do ritmo da atividade econômica no país, o que se observa, por exemplo, nos indicadores de produção industrial, nos dados sobre o mercado de trabalho e sobre a confiança de empresários e consumidores.

O comitê também considera que o desaquecimento da procura por bens e serviços, “motivado pelo aperto das condições financeiras, pela deterioração da confiança dos agentes e pela contração da atividade econômica global, criou importante margem de ociosidade dos fatores de produção”. Essa situação deve contribuir para conter as pressões inflacionárias. O Copom reforça que as mudanças na taxa de juros levam tempo para surtir efeito sobre a atividade e a inflação. (Agência Brasil - Kelly Oliveira)



Últimas

2020/01/24 » Déficit primário pode ser zerado até 2022, diz secretário
2020/01/24 » Arrecadação federal com impostos chega a R$ 1,537 trilhão em 2019
2020/01/24 » Confiança do empresário é a maior desde junho de 2010, diz CNI
2020/01/22 » CNC: intenção de consumo das famílias tem melhor janeiro desde 2015
2020/01/22 » Confiança da indústria cresce 1,1 ponto na prévia de janeiro
2020/01/22 » Brasil cria centro para indústria 4.0 no Fórum Econômico Mundial
2020/01/21 » Brasil passou para quarto destino de investimentos no mundo em 2019
2020/01/21 » Inflação dos aluguéis acumula taxa de 7,91% em 12 meses, diz FGV
2020/01/21 » Guedes conversa com ministros suíços e CEOs de empresas em Davos
2020/01/20 » Mercado financeiro reduz estimativa de inflação este ano para 3,56%
2020/01/20 » Agência Brasil explica: quem pode ser um microempreendedor individual?
2020/01/17 » Varejo de SP espera crescimento de 5% em vendas de materiais escolares
2020/01/17 » Confiança do empresário do comércio tem melhor janeiro desde 2013
2020/01/17 » Dólar fecha acima de R$ 4,19, no maior valor desde início de dezembro
2020/01/17 » Atividade econômica cresce 0,18%, diz Banco Central
2020/01/16 » Dataprev é incluída no Programa Nacional de Desestatização
2020/01/16 » Ipea: alíquota de novo imposto proposto em PECs deve ficar em 27%
2020/01/16 » Inflação pelo Índice Geral de Preços–10 cai de 1,69% para 1,07%
2020/01/15 » Governo quer vender R$ 150 bi em participações em empresas em 2020
2020/01/15 » Novo reajuste do mínimo pode ter impacto de R$ 2,13 bi no Orçamento

Ver mais »