Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Lula e Brown vão defender na reunião do G20 maior regulação do sistema financeiro 26/03/2009

 

Brasília, 26/03/2009 - No que depender da disposição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, a reunião de líderes das maiores economias desenvolvidas e em desenvolvimento, marcada para 2 de abril, em Londres, resultará em uma maior regulação do sistema financeiro internacional. O discurso foi afinado, durante encontro hoje (26), no Palácio da Alvorada.

"Estamos determinados a fazer com que o sistema financeiro mundial passe por uma regulação. Não é possível que só o sistema financeiro não seja vigiado e não tenha uma fiscalização. É preciso que o sistema financeiro se reeduque para trabalhar junto com o sistema produtivo e não se transformar em um cassino, querendo ganhar dinheiro sem produzir um benefício, um emprego ou um produto”, disse Lula.

Gordon Brown também foi enfático na defesa da regulação e disse não acreditar em resistência dos Estados Unidos – até mesmo paraísos fiscais, como Andorra, Suíça e Singapura, Áustria e Hong Kong já anunciaram que se alinharão aos novos princípios internacionais, frisou. “Certamente haverá um avanço na regulação”, afirmou o primeiro-ministro britânico.

Para Lula, é fundamental uma maior presença do Estado nesse processo. “Tenho uma visão do sistema financeiro, eu diria, um pouco mais rígida. Dou como exemplo o sistema financeiro brasileiro, em que é possível construir uma coisa mais sólida em que o Estado tenha o mínimo de ingerência”, afirmou. E lembrou que todos aqueles que sempre criticaram a intervenção do Estado na economia pediram socorro aos governos nesse momento de crise.

"Aqui no Brasil costumava-se dizer que o Estado não valia nada, que só atrapalha, que, se não existisse governo, Estado, tudo seria melhor”. E completou: “Temos agora oportunidade de fazer com que o Estado volte a ser Estado. Não defendemos um Estado administrador, um Estado dono da economia, nós queremos apenas um Estado que seja o articulador, o indutor das coisas que acontecem dentro de cada país”, disse o presidente.

Os dois líderes defenderam o aumento do comércio como caminho para retomada do crescimento mundial. Nesse sentido, alertaram para o risco que representa a adoção de medidas protecionistas. Na cúpula do G20 financeiro, realizada em novembro passado, em Washington, os chefes de Estado concordaram com a necessidade de evitar barreiras ao comércio.

Apesar disso, estudo do Banco Mundial indicou que 17 dos 20 países do grupo adotaram medidas protecionistas desde a reunião. Ainda assim, o discurso antiprotecionismo será reiterado na cúpula de Londres.

"Comparo o protecionismo a uma droga. Alguém usa droga porque deve estar em crise e acha que os efeitos da droga poderão facilitar sua vida num curto prazo, mas os efeitos serão muito rápidos. Depois vem a depressão. No nosso caso, se não agirmos corretamente, além da depressão, virá a recessão, mais desemprego, mais instabilidade. E aí nós não temos previsibilidade do que pode acontecer no mundo, se não agirmos com responsabilidade”, ponderou Lula.

Lula e Gordon Brown ainda defenderão, no G20 (grupo dos países em desenvolvimento), a reforma do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial, para que se tornem mais democráticos. Segundo Brown, instituições idealizadas nos anos 40 não são adequadas para tratar da atual crise mundial.

Além de preparar o discurso para a reunião de líderes do G20 financeiro, Lula e Gordon Brown acertaram que trabalharão em conjunto para preparar a conferência do clima, em Copenhague, prevista para dezembro deste ano e da qual deve sair um acordo internacional pós-Protocolo de Kioto.

Eles também falaram sobre cooperação na área esportiva. Brasil e Inglaterra pretendem compartilhar experiências e conhecimento para as Olimpíadas de 2012, em Londres, e a Copa de 2014, no Brasil. Além disso, anunciaram parceria entre a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e a Confederação Inglesa de Futebol também para troca de experiências. (Agência Brasil - Mylena Fiory e Yara Aquino)



Últimas

2020/07/16 » Covid-19: 80% dos executivos no país esperam queda na receita em 2020
2020/07/16 » Cartórios passam a monitorar violência patrimonial contra idosos
2020/07/16 » Saiba como fazer o teste diagnóstico de covid-19 pelo plano de saúde
2020/07/14 » Parcela de petróleo da União por contratos de partilha cresce 50%
2020/07/14 » UFMG faz campanha para ampliar acesso de alunos a aulas remotas
2020/07/14 » Setor de segurança tem alta de 40% na busca por tecnologia inteligente
2020/07/13 » Saiba como funciona o ITBI
2020/07/13 » Estatuto da Criança e do Adolescente completa 30 anos
2020/07/13 » Caixa inclui custo com cartório e ITBI em financiamento imobiliário
2020/07/10 » Covid-19: pessoas com sintomas devem procurar atendimento imediato
2020/07/10 » ONU pede fim do financiamento ao carvão e apoio à energia renovável
2020/07/10 » OMS quer mais evidências sobre transmissão da covid-19 pelo ar
2020/07/09 » Novo site simplifica adesão ao acordo dos planos econômicos
2020/07/09 » Sebrae: cresce interesse por cursos a distância para empreender
2020/07/09 » Pandemia causou impacto em 57% das companhias exportadoras, revela CNI
2020/07/09 » Estimativa de junho prevê safra recorde de 247,4 milhões de toneladas
2020/07/09 » MEC anuncia que Enem será em 17 e 24 de janeiro de 2021
2020/07/08 » Confira pagamentos e tributos adiados ou suspensos durante pandemia
2020/07/08 » Câmara aprova MP que suspende cumprimento mínimo de dias letivos
2020/07/08 » Câmara aprova MP que permite reembolso de passagem aérea em até um ano

Ver mais »