Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Previsão da CNI para o PIB é de crescimento próximo de zero em 2009 26/03/2009

 

Brasília, 26/03/2009 - A Confederação Nacional da Indústria (CNI) divulgou hoje (26) projeções que apontam um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) próximo de zero.

O anúncio foi feito pelo gerente executivo de Política Econômica da entidade, Flávio Castelo Branco, durante divulgação do Informe Conjuntural, publicação da CNI.

A previsão anterior, feita em dezembro do ano passado, era de que o PIB fosse crescer 2,4% em 2009, mas a crise financeira fez com que a entidade revisse o número. De acordo com a entidade, será necessário o PIB crescer 1,5% nos próximos trimestres para igualar, na média, com o PIB de 2008.

“A crise se instalou de forma rápida e disseminada na economia. A tese do descolamento das economias emergentes fez com que elas demorassem a reagir, e percebe-se que, no mundo global, não há quem se descole da economia globalizada”, disse.

A CNI também espera que haja uma retração de 2,8% no PIB industrial em 2009. A indústria de transformação deverá sofrer o maior recuo, 4,5%. Outra que também deverá recuar é a indústria de extração mineral, 3,7%. Castelo Branco disse que esta é a “maior queda da produção industrial em 20 anos”.

Contudo, a entidade aponta que a construção civil deverá ter uma expansão de 0,4%, pois muitas obras estão em andamento desde o ano passado. Além disso, a CNI acredita que o programa habitacional lançado (25) ontem pelo governo possa incentivar a atividade no setor.

O consumo das famílias também deve cair. A projeção da CNI é de que haja uma queda de 0,9% no poder de compra das famílias. A taxa de desemprego deverá aumentar em 9,1% como reflexo da baixa atividade econômica da indústria, segundo as previsões da entidade.

A CNI também revisou a meta de inflação, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) para 4,2%. A projeção anterior, feita em dezembro do ano passado, era de 4,8%. “Haverá queda nos preços ao consumidor, pois já teve queda no atacado. A trajetória de preços mais favoráveis abre espaço para queda na taxa de juros”, previu Castelo Branco. (Agência Brasil - Roberta Lopes)



Últimas

2020/10/23 » Ministério da Infraestrutura entregará planos de logística até 2050
2020/10/23 » OMS: risco de pegar covid-19 em aviões é "muito baixo", mas não zero
2020/10/23 » Cresce pauta sobre home office nas negociações trabalhistas
2020/10/22 » Confiança da indústria atinge maior nível em nove anos
2020/10/22 » Opas: América Latina não deve relaxar enfrentamento à pandemia
2020/10/22 » Faturamento do setor de turismo no Brasil tem redução de 33,6% em 2020
2020/10/21 » Setor mineral brasileiro tem resultado positivo no 3º trimestre
2020/10/21 » Decreto inclui Linha 2 do metrô de BH em programa de privatizações
2020/10/21 » Não investir no Brasil será um grande erro, afirma ministro
2020/10/21 » Inflação do aluguel sobe de 18,20% para 20,56% em 12 meses
2020/10/20 » Pacote comercial abre caminho para acordo mais amplo, diz governo
2020/10/20 » SP:acordo da ANTT permite investimento de R$ 6 bi em malha ferroviária
2020/10/20 » Como fazer a amortização do FGTS pelo celular
2020/10/19 » Comércio eletrônico e delivery aumentam consumo de embalagens
2020/10/19 » Doria apresenta plano de retomada econômica de São Paulo
2020/10/19 » Produção brasileira de aço cresce 7,5% em setembro
2020/10/16 » Indicador antecedente da economia brasileira cresce 1,2% em setembro
2020/10/16 » Atividade econômica tem alta de 1,06% em agosto, diz Banco Central
2020/10/16 » Rebanho bovino cresce em 2019, influenciado pelo cenário externo
2020/10/15 » Produção de motocicletas aumenta 13,1% em setembro

Ver mais »