Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Crise mundial só acabará quando problema for resolvido nos Estados Unidos, diz especialista 28/03/2009

 

São Paulo, 28/03/2009 - Por ter tido origem nos Estados Unidos, a crise financeira internacional só acabará quando o problema for resolvido lá. A avaliação é do professor de economia da Universidade de São Paulo, Roberto Macedo, feita em palestra, nesta semana, a estudantes da Fundação Armando Álvares Penteado (Faap).

Para o especialista, "se não resolver o problema de lá, não resolverá em lugar nenhum e nem o G20 [grupo das maiores economias do mundo] dará jeito", comentou.

Macedo acredita que o aprofundamento da crise financeira depende mais de encontrar uma solução para o sistema americano do que o G20. "A crise está mais cravada lá, foi lá que 'pipocou' o mercado de subprime", ressaltou.

Macedo pontou que a reunião do G20, que se realizará na próxima semana, em Londres, servirá "para lavar roupa suja". "Torço pelo melhor e que eles consigam achar uma solução, mas acho difícil que mude alguma coisa", disse. Conforme o professor, a maioria dos países continua adotando medidas protecionistas para seus mercados, mesmo quando há uma tendência de abrir o comércio.

O professor alertou que as negociações do G20 podem ser desviadas por conta de um dos temas que estão na pauta e que foi proposto pela China, a criação de uma nova moeda internacional que substitua o dólar.

Macedo explicou que os chineses têm medo que a moeda americana se desvalorize porque ele têm mais de US$ 1 trilhão em reserva. "O euro já se qualifica como uma nova moeda porque muitos contratos agora são negociados em euro. Mas isso é pouco provável porque nem a Inglaterra o aceitou, que dirá os outros países."

Segundo o professor, o pior aspecto da crise é o desemprego e esta é uma questão que deve ser tratada como uma das prioridades. "Para mim o desemprego é um dano moral, o funcionário que perde seu trabalho se sente diminuído, sofre por não ter dinheiro, por não poder sustentar a família". (Agência Brasil - Ivy Farias)



Últimas

2021/01/15 » MPT abre inquéritos para avaliar danos sociais do fechamento da Ford
2021/01/15 » BNDES financia segunda usina termelétrica no Porto do Açu
2021/01/15 » IBGE: indústria cresce em dez dos 15 locais pesquisados em novembro
2021/01/14 » Balança comercial do agronegócio soma US$ 100,81 bilhões em 2020
2021/01/14 » Conab estima colheita de 264,8 milhões de toneladas de grãos
2021/01/14 » IBGE: safra de 2021 deve superar recorde de 2020
2021/01/14 » Veja o que pode e o que não pode no Enem 2020
2021/01/13 » BNDES define consórcio que apoiará programa de aceleração de startups
2021/01/13 » Inflação da construção civil atinge 10,16% em 2020
2021/01/13 » Inflação para famílias com menor renda fecha 2020 com alta de 5,45%
2021/01/13 » Inflação oficial fecha 2020 em 4,52%, diz IBGE
2021/01/12 » Ministério pede avanço de reformas para manter fábricas no país
2021/01/12 » Preço da cesta básica aumentou em todas as capitais em 2020
2021/01/12 » Plataforma promove compartilhamento de materiais na economia
2021/01/11 » Como entrar em 2021 com as contas no azul
2021/01/11 » Digitalização de serviços públicos gera economia de R$ 2 bi por ano
2021/01/11 » Banco do Brasil renegocia R$ 40 milhões em dívidas por WhatsApp
2021/01/11 » Vendas de veículos caem 26,2% em 2020, diz Anfavea
2021/01/11 » Enem terá regras para evitar contágio pelo novo coronavírus
2021/01/08 » ANP: 17ª Rodada de Licitações oferece 92 blocos em bacias marítimas

Ver mais »