Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Em vez de emprestar para o FMI, Brasil deve investir mais na área social, diz economista 03/04/2009

 

Rio de Janeiro, 3/04/2009 - O governo brasileiro deveria investir mais na área social, principalmente em saúde e educação, e em infra-estrutura, em vez de anunciar aporte financeiro para o Fundo Monetário Internacional (FMI), afirmou o hoje (3) o presidente do Conselho Regional de Economia do Rio de Janeiro (Corecon/RJ), Paulo Sergio Souto.

"Com as brutais dificuldades que estamos tendo, não só na economia, mas especialmente no funcionamento da sociedade, fazer propaganda que agora podemos emprestar para o FMI chega a soar de muito mau gosto. No meu ponto de vista, é quase uma ironia com o sofrimento de milhões de brasileiros que necessitam de melhores serviços de educação, saúde, previdência, transportes públicos, moradia popular”, disse Souto.

O economista salientou que o FMI foi uma das agências internacionais que são, de alguma maneira, “co-responsáveis por toda essa desordem financeira que ocorreu”. Ele mostrou sua preocupação, no atual momento econômico global, com o fortalecimento do FMI no papel de emprestador de dinheiro. Explicou que muitos países que tomaram empréstimos do Fundo enfrentam hoje dificuldades em função de recomendações adotadas “a partir de terapias defendidas por organismos como o FMI”.

Souto enfatizou que a decisão do G20 favorece o fortalecimento do FMI “nesse seu papel terapêutico”, sem uma revisão dos seus métodos de trabalho, que incluem condicionalidades para a obtenção de financiamento.

Na análise de Souto, o encontro do G20 se revestiu de uma maior importância devido à gravidade da crise e às consequências que ela vem provocando nos países. Entre as possíveis vitórias que podem ser auferidas das decisões do G20, assinalou a injeção de US$ 1,1 trilhão em dinheiro novo na economia mundial, o compromisso com relação à transparência contábil que as instituições financeiras passariam a oferecer ao mercado, além do fim do sigilo bancário nos chamados paraísos fiscais.

O presidente do Corecon/RJ ressaltou, entretanto, que não está claro quem dará mais recursos ao FMI, uma vez que os Estados Unidos e a China já teriam declarado que não têm interesse em fazer novos aportes. Por isso, avaliou que o aumento de recursos para o Fundo “é mais uma intenção ou uma vontade dos governos do que, propriamente, um compromisso dos países. Então, esses US$ 500 bilhões devem ser relativizados”, indicou.

As medidas anunciadas pelo G20 trazem um benefício direto ao Brasil, por meio dos recursos no montante de US$ 250 bilhões para o comércio internacional, disse Souto. São recursos que serão repassados pelas agências de crédito às exportações dos países membros e dos bancos regionais.

No cômputo geral, o presidente do Corecon/RJ afirmou que restam muitas dúvidas a serem esclarecidas. A impressão que ele tem é que “o G20 está jogando para a platéia. As medidas (anunciadas) são muito mais para que nós, a população do mundo, assistamos e tenhamos ainda um pouquinho de esperança. Eu acho que é mais do mesmo”.

O grande problema está na forma como o capitalismo funcionou nos últimos 30 anos, cuja tônica foi a liberalização financeira, causadora, em última instância, da atual crise internacional. “Ela foi responsável por um formidável ciclo de expansão econômica e de inovações tecnológicas, mas as suas bases estavam precárias. E não se encontrou ainda forma de se conceber como é possível o mercado financeiro ter grande liberdade de produzir novos produtos e, ao mesmo tempo, ter rigor fiscalizatório”. Essa é a questão de fundo da crise, apontou Paulo Souto. (Agência Brasil - Alana Gandra)



Últimas

2020/10/30 » Ministra da Agricultura diz que nova safra pode reduzir preço do arroz
2020/10/30 » CNI diz que setores mais otimistas são os de borracha e metalurgia
2020/10/30 » Criação de empregos em setembro atinge melhor nível em dez anos
2020/10/29 » Emprego na construção é o maior para setembro nos últimos oito anos
2020/10/29 » Representantes do setor da indústria aprovam decisão do Copom
2020/10/29 » Copom mantém juros básicos da economia em 2% ao ano
2020/10/29 » Copom mantém juros básicos da economia em 2% ao ano
2020/10/28 » Apoio emergencial do BNDES a empresas na pandemia alcança R$ 105 bi
2020/10/28 » Programa para ampliar produtividade das empresas é retomado
2020/10/28 » Confiança da construção cresce 3,7 pontos em outubro, diz FGV
2020/10/27 » Guedes diz que acordos políticos dificultam privatizações
2020/10/27 » CMN aprova regulação simplificada para projetos inovadores
2020/10/27 » Mercado financeiro eleva projeção da inflação para 2,99%
2020/10/26 » Contas externas têm em setembro sexto mês seguido de saldo positivo
2020/10/26 » Petrobras inicia venda de campos terrestres em Sergipe
2020/10/26 » Banco Central registra recorde de remessas de dólares para o Brasil
2020/10/23 » Ministério da Infraestrutura entregará planos de logística até 2050
2020/10/23 » OMS: risco de pegar covid-19 em aviões é "muito baixo", mas não zero
2020/10/23 » Cresce pauta sobre home office nas negociações trabalhistas
2020/10/22 » Confiança da indústria atinge maior nível em nove anos

Ver mais »