Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Economistas consideram conservadora decisão do Copom de manter Selic em 8,75% ao ano 03/09/2009

Rio de Janeiro - O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central adotou uma política conservadora ao manter, hoje (2), em 8,75% ao ano a taxa básica de juro Selic, na opinião da professora do Departamento de Economia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) Maria Beatriz David. "É uma política muito conservadora, porque eles estão temendo aumento da inflação”, explicou.

Ela lembrou que índices de preços divulgados esta semana mostraram, em sua maioria, um leve aumento. “Mas, acho que não há risco de inflação." A economista acredita, contudo, que poderá haver um novo corte da Selic até o final do ano. “Se não houver nenhuma pressão inflacionária, porque  os aumentos salariais terminam  agora em setembro, com o dissídio dos bancários.”

Como a expectativa é de queda de preços de alguns alimentos a partir deste mês, ela apontou a possibilidade de  o Copom  voltar a efetuar um pequeno corte no juro, embora não seja nada muito significativo. “Este ano, eu acho que vão baixar, no máximo, mais 0,5  ponto percentual ou 1 ponto  até dezembro.”

Na avaliação do presidente do Conselho Regional de Economia do Rio de Janeiro (Corecon/RJ),   Paulo Passarinho, a manutenção da Selic no patamar de 8,75%/ano já era esperada, “em função do tipo de política econômica que nós temos e, principalmente, da orientação da diretoria do Banco Central”.

Ele lamentou a decisão do Copom, afirmando que esses são os limites da política econômica. Passarinho criticou a forma como o BC enfrentou a crise financeira internacional, mantendo uma trajetória de juros altos especialmente no auge  da crise, no  ano passado. “Foi uma resposta, na verdade, retardada."

De acordo com ele,  efeito dessa política  monetária “equivocada” foi compensado pela política fiscal “mais frouxa” que instituições  vinculadas ao Ministério da Fazenda, como o Banco do Brasil, Caixa Econômica e Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), acabaram por realizar.

Segundo Passarinho, a política  do BC denota “coerência de uma estratégia econômica  que foi adotada pelo  conjunto do governo Lula desde o início da sua gestão e, de alguma maneira, nós estamos presos a isso.” (Agência Brasil - Alana Gandra)



Últimas

2020/05/22 » Receita inicia hoje consulta ao primeiro lote do Imposto de Renda
2020/05/22 » Receita lança aplicativo CPF Digital
2020/05/22 » Especialistas alertam sobre sintomas menos comuns da covid-19
2020/05/19 » Tabagismo e coronavírus são combinação catastrófica, diz fundação
2020/05/19 » Vacina para covid-19 mostra resultado promissor
2020/05/19 » Alívio no mercado externo faz dólar cair para R$ 5,72
2020/05/18 » Critérios e avaliações na recuperação de covid-19
2020/05/18 » Veja como será o pagamento da 2ª parcela do auxílio emergencial
2020/05/18 » Dataprev aprova auxílio emergencial para 8,3 milhões de brasileiros
2020/05/15 » Anistia Internacional lança campanha sobre grupos carentes no Brasil
2020/05/15 » Clientes podem acessar serviços públicos com senha do Banco do Brasil
2020/05/15 » Governo prorroga prazo de entrega da declaração do IR por dois meses
2020/05/14 » Confira pagamentos e tributos adiados ou suspensos durante pandemia
2020/05/14 » Com pandemia, 76% do setor industrial reduziu produção
2020/05/14 » Estudo da Unicamp indica lockdown em SP se isolamento não aumentar
2020/05/13 » Maioria dos governadores manterá academias e salões fechados
2020/05/13 » Programa de redução de salário preserva mais de 7 milhões de empregos
2020/05/13 » Justiça determina que bancos esclareçam propaganda enganosa
2020/05/12 » Ministério da Saúde propõe novas diretrizes para distanciamento social
2020/05/12 » Covid-19: Brasil tem 168 mil casos confirmados e 11,5 mil mortes

Ver mais »