Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Economistas consideram conservadora decisão do Copom de manter Selic em 8,75% ao ano 03/09/2009

Rio de Janeiro - O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central adotou uma política conservadora ao manter, hoje (2), em 8,75% ao ano a taxa básica de juro Selic, na opinião da professora do Departamento de Economia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) Maria Beatriz David. "É uma política muito conservadora, porque eles estão temendo aumento da inflação”, explicou.

Ela lembrou que índices de preços divulgados esta semana mostraram, em sua maioria, um leve aumento. “Mas, acho que não há risco de inflação." A economista acredita, contudo, que poderá haver um novo corte da Selic até o final do ano. “Se não houver nenhuma pressão inflacionária, porque  os aumentos salariais terminam  agora em setembro, com o dissídio dos bancários.”

Como a expectativa é de queda de preços de alguns alimentos a partir deste mês, ela apontou a possibilidade de  o Copom  voltar a efetuar um pequeno corte no juro, embora não seja nada muito significativo. “Este ano, eu acho que vão baixar, no máximo, mais 0,5  ponto percentual ou 1 ponto  até dezembro.”

Na avaliação do presidente do Conselho Regional de Economia do Rio de Janeiro (Corecon/RJ),   Paulo Passarinho, a manutenção da Selic no patamar de 8,75%/ano já era esperada, “em função do tipo de política econômica que nós temos e, principalmente, da orientação da diretoria do Banco Central”.

Ele lamentou a decisão do Copom, afirmando que esses são os limites da política econômica. Passarinho criticou a forma como o BC enfrentou a crise financeira internacional, mantendo uma trajetória de juros altos especialmente no auge  da crise, no  ano passado. “Foi uma resposta, na verdade, retardada."

De acordo com ele,  efeito dessa política  monetária “equivocada” foi compensado pela política fiscal “mais frouxa” que instituições  vinculadas ao Ministério da Fazenda, como o Banco do Brasil, Caixa Econômica e Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), acabaram por realizar.

Segundo Passarinho, a política  do BC denota “coerência de uma estratégia econômica  que foi adotada pelo  conjunto do governo Lula desde o início da sua gestão e, de alguma maneira, nós estamos presos a isso.” (Agência Brasil - Alana Gandra)



Últimas

2020/12/04 » Receita Federal e Banco do Brasil iniciam arrecadação com Pix
2020/12/04 » Desentendimento político interrompe reforma tributária, diz Guedes
2020/12/04 » Pix tem 100 milhões de chaves registradas
2020/12/03 » Concessões de aeroportos, rodovias, portos e ferrovias entram no PPI
2020/12/03 » PPI tem 115 ativos para leilões e projetos de concessão em 2021
2020/12/03 » Venda de veículos automotores aumenta 0,45% de outubro para novembro
2020/12/03 » Produção industrial cresceu 1,1% em outubro, diz IBGE
2020/12/02 » CNI: produtividade do trabalho na indústria cresce 8% no 3º trimestre
2020/12/02 » Balança comercial registra superávit de US$ 3,73 bi em novembro
2020/12/02 » CNA prevê aumento da produção do agronegócio no próximo ano
2020/12/02 » População desocupada atinge 13,76 milhões em outubro
2020/12/01 » Ipea: investimentos têm alta de 3,5% em setembro
2020/12/01 » Contas públicas registram saldo positivo após oito meses de déficit
2020/12/01 » Estimativa do mercado financeiro para a inflação sobe para 3,54%
2020/11/30 » ANP retoma a 17ª Rodada de Licitações
2020/11/30 » Corretoras poderão atuar com pagamentos de boletos a partir de janeiro
2020/11/30 » Confiança da indústria atinge maior valor em dez anos, diz FGV
2020/11/30 » Fiscalização do Procon-SP registra infração em 70% de lojas visitadas
2020/11/30 » Taxa de desemprego passa de 13,3% para 14,6% no terceiro trimestre
2020/11/30 » Inflação do aluguel sobe e acumula 24,52% em 12 meses

Ver mais »