Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Economistas consideram conservadora decisão do Copom de manter Selic em 8,75% ao ano 03/09/2009

Rio de Janeiro - O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central adotou uma política conservadora ao manter, hoje (2), em 8,75% ao ano a taxa básica de juro Selic, na opinião da professora do Departamento de Economia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) Maria Beatriz David. "É uma política muito conservadora, porque eles estão temendo aumento da inflação”, explicou.

Ela lembrou que índices de preços divulgados esta semana mostraram, em sua maioria, um leve aumento. “Mas, acho que não há risco de inflação." A economista acredita, contudo, que poderá haver um novo corte da Selic até o final do ano. “Se não houver nenhuma pressão inflacionária, porque  os aumentos salariais terminam  agora em setembro, com o dissídio dos bancários.”

Como a expectativa é de queda de preços de alguns alimentos a partir deste mês, ela apontou a possibilidade de  o Copom  voltar a efetuar um pequeno corte no juro, embora não seja nada muito significativo. “Este ano, eu acho que vão baixar, no máximo, mais 0,5  ponto percentual ou 1 ponto  até dezembro.”

Na avaliação do presidente do Conselho Regional de Economia do Rio de Janeiro (Corecon/RJ),   Paulo Passarinho, a manutenção da Selic no patamar de 8,75%/ano já era esperada, “em função do tipo de política econômica que nós temos e, principalmente, da orientação da diretoria do Banco Central”.

Ele lamentou a decisão do Copom, afirmando que esses são os limites da política econômica. Passarinho criticou a forma como o BC enfrentou a crise financeira internacional, mantendo uma trajetória de juros altos especialmente no auge  da crise, no  ano passado. “Foi uma resposta, na verdade, retardada."

De acordo com ele,  efeito dessa política  monetária “equivocada” foi compensado pela política fiscal “mais frouxa” que instituições  vinculadas ao Ministério da Fazenda, como o Banco do Brasil, Caixa Econômica e Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), acabaram por realizar.

Segundo Passarinho, a política  do BC denota “coerência de uma estratégia econômica  que foi adotada pelo  conjunto do governo Lula desde o início da sua gestão e, de alguma maneira, nós estamos presos a isso.” (Agência Brasil - Alana Gandra)



Últimas

2019/11/14 » Atividade econômica cresce 0,91% no terceiro trimestre
2019/11/14 » Caixa e BB iniciam quinta fase de pagamento de abono do PIS/Pasep
2019/11/14 » Reformas vão tornar Brasil mais atrativo a negócios, diz Bolsonaro
2019/11/14 » Reformas vão tornar Brasil mais atrativo a negócios, diz Bolsonaro
2019/11/13 » Privatização da Eletrobras deve reduzir tarifas para os consumidores
2019/11/13 » Caixa reduz para 4,99% a taxa de juros do cheque especial
2019/11/13 » Ministro diz que reforma da Previdência já atrai investidores
2019/11/12 » Setor de serviços cresce 1,2% em setembro, aponta IBGE
2019/11/12 » Cresce apoio do BNDES a projetos de micro, pequenas e médias empresas
2019/11/12 » Países do Brics buscam investimentos privados para infraestrutura
2019/11/12 » Faturamento do mercado de seguros cresceu 18,6% em setembro
2019/11/11 » Brics fomenta cooperação entre economias emergentes há 13 anos
2019/11/11 » Impostos dificultam pequenos e médios negócios, dizem empresários
2019/11/11 » IBGE revisa PIB de 2017 de 1% para 1,3%
2019/11/08 » Indicador da FGV mostra dificuldade de reação do mercado de trabalho
2019/11/08 » Petrobras recebe oferta de R$ 3,7 bilhões por Liquigás Distribuidora
2019/11/08 » Governo aumenta projeção de crescimento do PIB para 0,90%
2019/11/07 » Inflação de outubro é a menor para o mês desde 1998
2019/11/07 » Índice que serve de base para reajuste salarial tem variação de 2,76%
2019/11/07 » Seis em cada 10 empresários querem investir, mostra pesquisa do Sebrae

Ver mais »