Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Safra de grãos deve ser 8,6% inferior à de 2008, estima IBGE 08/09/2009

Rio de Janeiro - A safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas deve alcançar 133,5 milhões de toneladas em 2009. O volume estimado é 8,6% menor do que a safra recorde de 2008, quando foram produzidos 146 milhões de toneladas de grãos no país. A nova previsão faz parte do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola, divulgado hoje (8) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), relativo ao mês de agosto.

Em relação à estimativa de julho, a projeção atual indica redução de 0,7%, motivada especialmente pelas reavaliações negativas ocorridas no milho segunda safra em Mato Grosso do Sul e Goiás e pelas estimativas das culturas de inverno, principalmente o trigo no Paraná.

A produção do arroz, em 2009, registra variação positiva de 4% em relação à de 2008. Já para a soja e o milho, a previsão é de queda da produção em 5,2% e 15,1%, respectivamente.

A área a ser colhida, somando 47,1 milhões de hectares, apresenta redução tanto em relação à de 2008 (-0,4%) quanto à estimativa realizada no mês anterior (-0,2%).

As culturas da soja, do milho e do arroz – as principais do país, que respondem por 81,4% da área plantada – apresentam variações de 2,0%, -4,8% e 0,7%, respectivamente, em relação aos dados de 2008.

A safra esperada para 2009 tem, em relação ao levantamento de julho, a seguinte distribuição regional: Região Sul, com 53,4 milhões de toneladas (-13,0%); Centro-Oeste, com 47,7 milhões de toneladas (-6,1%); Sudeste, com 17,0 milhões de toneladas (-3,6%); Nordeste, com 11,7 milhões de toneladas (-6,3%); e Norte, com 3,7 milhões de toneladas (-1,9%). O estado de Mato Grosso, com cerca de 20% da produção nacional, deve superar o Paraná, consolidando a posição de maior produtor nacional de grãos.

De acordo com o levantamento do IBGE, em agosto, dentre os 41 produtos selecionados, 23 apresentam variação negativa na estimativa de produção em relação à do ano anterior, entre eles girassol em grão (-26,2%), algodão herbáceo em caroço (-25,7%), mamona em baga (-23,4%), milho em grão primeira safra (-15,5%), milho em grão segunda safra (-14,3%), café em grão (-13,6%) e feijão em grão terceira safra (-13,1%).

Entre os produtos com variação positiva estão aveia em grão (20,3%), castanha-de-caju (17,2%), amendoim em casca segunda safra (14,0%), juta em fibra (9,8%), maçã (8,8%), cana-de-açúcar (7,3%) e tomate (5,3%). (Agência Brasil - Thaís Leitão)



Últimas

2020/02/21 » Polícia Rodoviária Federal inicia Operação Carnaval nesta sexta-feira
2020/02/21 » Escolas de samba movimentam economia durante todo ano no Rio
2020/02/20 » Banco Central injeta R$ 135 bilhões na economia
2020/02/20 » Programa para fazer Declaração do Imposto de Renda já está disponível
2020/02/20 » Prévia da inflação oficial fica em 0,22% em fevereiro
2020/02/19 » Comissão Europeia quer criar mercado único de dados
2020/02/19 » Confiança da indústria cai em fevereiro depois de 3 altas seguidas
2020/02/19 » Confiança da indústria cresce 0,7 ponto na prévia de fevereiro
2020/02/18 » Economia segue em processo de recuperação gradual, diz BC
2020/02/18 » FGV: economia brasileira cresceu 1,2% em 2019
2020/02/18 » Rodovias terão estabelecimentos regulamentados para motoristas
2020/02/17 » Associação alerta motoristas sobre riscos no trânsito durante carnaval
2020/02/17 » Estimativa do mercado financeiro para inflação cai para 3,22%
2020/02/17 » Começam a valer medidas da Caixa para estimular construção civil
2020/02/14 » Atividade econômica cresce 0,89% em 2019
2020/02/14 » Cerca de 25% dos desempregados procuram emprego há mais de dois anos
2020/02/14 » Taxa de desemprego cai em 16 estados, revela IBGE
2020/02/13 » Abate de bovinos cai e o de suínos e frangos sobe no último trimestre
2020/02/13 » Setor de Serviços fecha 2019 com crescimento de 1%
2020/02/13 » Coronavírus: subida exponencial de mortes e casos. O que mudou?

Ver mais »