Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Aumento de emprego formal eleva cobertura da Previdência Social no país 01/10/2009

Rio de Janeiro - O crescimento dos empregos com carteira assinada – que representavam 30,4% da população economicamente ativa (PEA) em 2001 e passaram para 35,7% em 2008 – foi o principal fator do aumento da cobertura previdenciária no país, no período. Em 2001, as pessoas cobertas pela Previdência Social eram 54,8% da PEA e, no ano passado, alcançaram 59,6%.

Pesquisadores do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) observaram que ao contrário do período entre 1991 e 1999, a década encerrada no ano passado mostra evolução no número dos contribuintes da Previdência Social. Do total de novos participantes da PEA, que equivalem a 17,9 milhões de pessoas, três quartos contribuem para a Previdência, contra um quarto na década anterior. Isso significa que 9 milhões de pessoas são empregados formais. Ainda há, contudo, cerca de 31 milhões de trabalhadores informais no país, que não contribuem para a Previdência.

A análise é baseada na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Ela identifica que houve redução do número de pessoas desocupadas na PEA ao longo dos últimos dez anos: o percentual caiu de 9,8%, em 2003, para 7,3% em 2008. A queda ocorreu tanto na área urbana quanto na rural. Em contrapartida, houve aumento do número de contribuintes em ambos os tipos de domicílio, no país.

De acordo com o estudo, apesar de ter havido melhoria na cobertura das pessoas idosas no Brasil, cerca de 3,8 milhões de brasileiros acima de 60 anos de idade não são ainda cobertos pela Previdência Social. Os pesquisadores do Ipea destacam a importância da Previdência Social para a redução da pobreza no Brasil.

Eles afirmam que se os benefícios previdenciários pagos atualmente no país fossem eliminados, os pobres subiriam de 29,18% da população total para 40,56%, enquanto o percentual de indigentes dobraria de 10,74% para 20,19%. Nessa hipótese, a desigualdade de renda tenderia a crescer ainda mais no Brasil. (Agência Brasil - Alana Gandra)



Últimas

2021/01/20 » ANP regulamenta indicação de áreas para exploração de petróleo e gás
2021/01/20 » Bancos Inter, Itaú e Caixa lideram ranking de reclamações ao BC
2021/01/20 » Confiança do empresário do comércio cai 2,2% em janeiro, diz CNC
2021/01/19 » CNI: faturamento da indústria cai pela primeira vez em sete meses
2021/01/19 » Produção de aço caiu 4,9% em 2020, informa o Instituto Aço Brasil
2021/01/19 » Atividade econômica tem alta de 0,59% em novembro, diz Banco Central
2021/01/19 » Atividade industrial desacelera em novembro de 2020
2021/01/18 » Saiba o que é a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO)
2021/01/18 » China contribuiu com mais da metade do superávit comercial do Brasil
2021/01/18 » Produção agropecuária de 2020 alcança R$ 871 bilhões
2021/01/15 » MPT abre inquéritos para avaliar danos sociais do fechamento da Ford
2021/01/15 » BNDES financia segunda usina termelétrica no Porto do Açu
2021/01/15 » IBGE: indústria cresce em dez dos 15 locais pesquisados em novembro
2021/01/14 » Balança comercial do agronegócio soma US$ 100,81 bilhões em 2020
2021/01/14 » Conab estima colheita de 264,8 milhões de toneladas de grãos
2021/01/14 » IBGE: safra de 2021 deve superar recorde de 2020
2021/01/14 » Veja o que pode e o que não pode no Enem 2020
2021/01/13 » BNDES define consórcio que apoiará programa de aceleração de startups
2021/01/13 » Inflação da construção civil atinge 10,16% em 2020
2021/01/13 » Inflação para famílias com menor renda fecha 2020 com alta de 5,45%

Ver mais »