Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Participação de estrangeiros na dívida pública aumentou apesar da cobrança do IOF 23/11/2009

Brasília - Apesar da introdução da cobrança de 2% de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) para os investidores internacionais que aplicam no mercado financeiro brasileiro, a participação de estrangeiros na dívida pública interna subiu e voltou a bater recorde em outubro. Segundo o coordenador-geral de Operações da Dívida Pública, Fernando Garrido, os estrangeiros responderam por 7,68% da dívida mobiliária (em títulos) interna no mês passado.

Em setembro, quando o percentual também havia registrado recorde, a participação era de 7,16%. Em valores absolutos, a aplicação dos estrangeiros na dívida mobiliária interna também bateu recorde. Subiu de R$ 95,9 bilhões em setembro para R$ 101,6 bilhões no último mês.

O Tesouro Nacional divulgou hoje (23) os números da dívida pública federal no mês passado. Como a taxação do capital estrangeiro entrou em vigor em 19 de outubro, o coordenador ressaltou que ainda não é possível estimar o impacto do IOF sobre o interesse dos aplicadores internacionais na dívida brasileira. “Ainda é muito cedo para afirmar se a tendência de aumento da participação dos estrangeiros se manterá”, declarou.

O coordenador, no entanto, disse que o IOF pode não ter grande efeito sobre a maior parte dos investidores externos, que estão interessados em títulos prefixados de longo prazo. “Para os investidores interessados no longo prazo, o efeito do IOF é menos significativo porque a cobrança do imposto não fará muita diferença”, afirmou Garrido.

Em relação aos juros pedidos pelos investidores, o coordenador admitiu que em outubro houve alguma volatilidade, mas não disse se o grau de instabilidade foi maior ou menor que em setembro. Garrido, no entanto, apontou que os juros começam a se estabilizar e, em alguns casos, até apresentar redução.

Para os títulos prefixados com vencimento em 2011, os juros subiram de 11,2% no final de outubro para 11,3% no último dia 18. Em relação aos papéis que vencem em 2013, a taxa ficou praticamente estável, passando de 12,43% para 12,44% no mesmo período. Os juros dos títulos com vencimento em 2017, no entanto, caíram de 13,22% para 13,19%.

Por causa da previsão de que a inflação aumentará no próximo ano e o Banco Central elevará os juros básicos, os investidores estão pedindo juros mais elevados para comprar os títulos lançados pelo Tesouro Nacional. Para não aceitar essas taxas, o que acarretaria alta no custo da dívida pública, o governo passa a vender menos títulos.

Fernando Garrido afirmou que a volatilidade não atrapalhou a estratégia do Tesouro. “Em outubro, conseguimos cumprir o planejamento porque a própria estratégia contempla a redução das emissões em momentos de instabilidade”, alegou. (Agência Brasil - Wellton Máximo)



Últimas

2020/09/25 » Projeto do Senai vai qualificar trabalhadores para a indústria 4.0
2020/09/25 » Primeiro leilão de imóveis públicos do Rio será em outubro
2020/09/25 » CMN amplia limite de renda para microcrédito a empresas
2020/09/24 » Custos industriais caem 1,5% no segundo trimestre
2020/09/24 » Ministro da Economia diz que reforma deve ter tributos alternativos
2020/09/24 » Contas externas têm saldo positivo de US$ 3,7 bilhões
2020/09/23 » Conab avalia que Brasil terá segunda maior safra de café em 2020
2020/09/23 » CNI: atividade industrial segue em recuperação com alta do emprego
2020/09/23 » Indicadores recentes sugerem recuperação parcial da economia, diz BC
2020/09/22 » Brasil terá cota adicional na exportação de açúcar aos EUA
2020/09/22 » Estudo brasileiro aponta que covid-19 pode causar danos cerebrais
2020/09/22 » Mercado financeiro reduz projeção de queda da economia para 5,05%
2020/09/21 » Turismo: metade das operadoras vende viagens para novembro e dezembro
2020/09/21 » Covid-19: maioria dos estados segue sem aulas presenciais
2020/09/21 » O que é o Sistema S?
2020/09/18 » Lei Geral de Proteção de Dados entra em vigor
2020/09/18 » Confiança do empresário do comércio tem alta recorde em setembro
2020/09/18 » IBGE: desemprego na pandemia atinge maior patamar em agosto
2020/09/18 » CNI apresenta propostas para retomada da economia
2020/09/18 » Abertura de empresas cresce, enquanto fechamento recua em 8 meses

Ver mais »