Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Juros de empréstimos bancários são os mais baixos desde junho de 1994 29/12/2009

Brasília - A taxa média de juros cobrados nos empréstimos bancários caiu para 34,9% ao ano, no mês de novembro, com redução de 0,7 ponto percentual na comparação com o custo do dinheiro em outubro.

Essa é a taxa média mais baixa desde junho de 1994, quando o Banco Central (BC) iniciou a série histórica de acompanhamento dos juros do sistema financeiro nacional (SFN).

Os dados foram apresentados hoje (29) pelo chefe do Departamento Econômico do BC, Altamir Lopes, ao divulgar o Relatório de Política Monetária e Operações de Crédito do Sistema Financeiro.

Ele se mostrou confiante de que os juros continuarão em trajetória de redução no ano que vem, por causa principalmente da gradativa queda do spread bancário (diferença entre os juros que o banco paga na captação de dinheiro do cliente e os juros cobrados na concessão de empréstimos).

Altamir Lopes disse que o cenário atual é de “mais facilidade de acesso ao crédito”, que, segundo ele, retornou à normalidade anterior à crise financeira internacional. Mencionou também a queda do spread bancário, de 26% para 25,1% na comparação com outubro, além da “acomodação” da inadimplência, que caiu 0,1 ponto percentual no mês passado, com taxas de 3,9% nas operações com pessoa jurídica e de 8,1% com pessoa física.

Segundo Lopes, “o que se espera para 2010 é um quadro de redução gradativa da taxa de juros, por força de reduções do spread e da inadimplência”, apesar de algumas modalidades de operações financeiras insistirem na cobrança de juros altos, até mesmo com elevações de suas taxas, na contramão da movimentação financeira como um todo.

É o caso das operações com cheque especial, cujos juros aumentaram de 160% ao ano, em outubro, para 163,3% ao ano, no mês passado; ou do financiamento do comércio varejista, que elevou os juros de 50% para 51,8% na mesma base de comparação, quando se aproximava o final do ano, tradicional época de aumento de consumo. Os juros para pessoa física foram compensados pela queda no crédito pessoal, de 45,7% para 43,6%, e na aquisição de veículos, de 25,6% para 25,3%.

Nas operações com pessoas jurídicas, houve reduções nos juros cobrados nos descontos de duplicatas (de 40,9% para 37,5%) e de promissórias (de 53,4% para 47,7%), bem como no capital de giro (de 31,1% para 29,1%). Em contrapartida, aumentaram nas modalidades de empréstimo para aquisição de bens (de 15,4% para 16,4%) e nas operações de conta garantida (de 78,9% para 82,1%). (Agência Brasil - Stênio Ribeiro)



Últimas

2020/09/24 » Custos industriais caem 1,5% no segundo trimestre
2020/09/24 » Ministro da Economia diz que reforma deve ter tributos alternativos
2020/09/24 » Contas externas têm saldo positivo de US$ 3,7 bilhões
2020/09/23 » Conab avalia que Brasil terá segunda maior safra de café em 2020
2020/09/23 » CNI: atividade industrial segue em recuperação com alta do emprego
2020/09/23 » Indicadores recentes sugerem recuperação parcial da economia, diz BC
2020/09/22 » Brasil terá cota adicional na exportação de açúcar aos EUA
2020/09/22 » Estudo brasileiro aponta que covid-19 pode causar danos cerebrais
2020/09/22 » Mercado financeiro reduz projeção de queda da economia para 5,05%
2020/09/21 » Turismo: metade das operadoras vende viagens para novembro e dezembro
2020/09/21 » Covid-19: maioria dos estados segue sem aulas presenciais
2020/09/21 » O que é o Sistema S?
2020/09/18 » Lei Geral de Proteção de Dados entra em vigor
2020/09/18 » Confiança do empresário do comércio tem alta recorde em setembro
2020/09/18 » IBGE: desemprego na pandemia atinge maior patamar em agosto
2020/09/18 » CNI apresenta propostas para retomada da economia
2020/09/18 » Abertura de empresas cresce, enquanto fechamento recua em 8 meses
2020/09/18 » Governo já desembolsou R$ 197 bilhões em auxílio emergencial
2020/09/17 » Entidades elogiam decisão do Copom de manter a Selic
2020/09/17 » Prefeitura de São Paulo adota home office permanente

Ver mais »