Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Captação da poupança em dezembro é a maior desde 1995 07/01/2010

Brasília - Os depósitos em poupança superaram as retiradas em R$ 9,171 bilhões em dezembro. Foi a maior captação líquida mensal da série histórica, iniciada em 1995. Em todo o ano passado, a captação líquida somou R$ 30,412 bilhões, menor apenas do que a de 2007, quando o resultado positivo foi de R$ 33,379 bilhões.

Os dados constam do relatório de poupança do Banco Central divulgado hoje (7). O documento tem como base os dados do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE) - que destina recursos ao setor imobiliário - e da poupança rural.

O mês de dezembro é o período em que os trabalhadores recebem o décimo-terceiro salário, o que impulsiona as aplicações na poupança. No mês passado, os depósitos somaram R$ 112,230 bilhões e as retiradas chegaram a R$ 103,059 bilhões. Foi o oitavo mês seguido de resultado positivo. Em janeiro, março e abril de 2009, os saques superaram os depósitos.

A maior captação líquida registrada até então havia sido de R$ 9,134 bilhões, em dezembro de 2007. No mesmo mês de 2008, o resultado positivo foi de R$ 5,387 bilhões.

A maior captação líquida é do SBPE, que registrou R$ 7,164 bilhões em dezembro, com depósitos no total de R$ 96,799 bilhões e retirada de R$ 89,635 bilhões. A poupança rural apresentou depósitos (R$ 15,430 bilhões) maiores do que as retiradas (R$ 13,423 bilhões) em R$ 2,007 bilhões.

Os rendimentos da caderneta somaram R$ 1,516 bilhão no mês passado. A caderneta de poupança é remunerada pela Taxa Referencial (TR) mais 0,5% ao mês e não há cobrança de taxa de administração.

No ano passado, o governo chegou a anunciar que iria tributar o rendimento da caderneta de poupança. A ideia era descontar Imposto de Renda dos rendimentos que excedessem a aplicação de R$ 50 mil.

Havia o temor de que grandes investidores estivessem transferindo recursos para a poupança por conta da redução da taxa básica de juros, a Selic. Com a redução dessa taxa, que remunera aplicações de fundos de investimentos, a poupança estaria mais atrativa, já que não é tributada.

Entretanto, houve recuou nessa decisão considerada impopular. Atualmente, a Selic está em 8,75% ao ano e a expectativa dos analistas do mercado financeiro é que suba neste ano e encerre o período em 10,75% ao ano. (Agência Brasil - Kelly Oliveira)



Últimas

2020/10/22 » Confiança da indústria atinge maior nível em nove anos
2020/10/22 » Opas: América Latina não deve relaxar enfrentamento à pandemia
2020/10/22 » Faturamento do setor de turismo no Brasil tem redução de 33,6% em 2020
2020/10/21 » Setor mineral brasileiro tem resultado positivo no 3º trimestre
2020/10/21 » Decreto inclui Linha 2 do metrô de BH em programa de privatizações
2020/10/21 » Não investir no Brasil será um grande erro, afirma ministro
2020/10/21 » Inflação do aluguel sobe de 18,20% para 20,56% em 12 meses
2020/10/20 » Pacote comercial abre caminho para acordo mais amplo, diz governo
2020/10/20 » SP:acordo da ANTT permite investimento de R$ 6 bi em malha ferroviária
2020/10/20 » Como fazer a amortização do FGTS pelo celular
2020/10/19 » Comércio eletrônico e delivery aumentam consumo de embalagens
2020/10/19 » Doria apresenta plano de retomada econômica de São Paulo
2020/10/19 » Produção brasileira de aço cresce 7,5% em setembro
2020/10/16 » Indicador antecedente da economia brasileira cresce 1,2% em setembro
2020/10/16 » Atividade econômica tem alta de 1,06% em agosto, diz Banco Central
2020/10/16 » Rebanho bovino cresce em 2019, influenciado pelo cenário externo
2020/10/15 » Produção de motocicletas aumenta 13,1% em setembro
2020/10/15 » Ministério entrega à Presidência projeto de privatização dos Correios
2020/10/15 » Programa de suspensão de contrato e redução de jornada é prorrogado
2020/10/14 » Guedes defende reformas e rigor fiscal pós-pandemia a comitê do FMI

Ver mais »