Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Inflação em São Paulo tem a maior alta desde junho de 2008 27/01/2010

São Paulo - O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), medido pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) apresentou alta de 1,16% na terceira quadrissemana de janeiro, ante 0,85% da apuração anterior e 0,48% da primeira prévia de 2010. Essa é a maior elevação desde junho de 2008, quando a taxa havia alcançado 1,26%.

Dos sete grupos pesquisados, três apresentaram oscilação em ritmo mais intenso do que o verificado no levantamento anterior: alimentação, cuja taxa passou de 1,26% para 1,66%; transportes, de 2,32% para 3,52%, e educação, de 2,07% para 3,48%. Neste último, é comum ocorrerem acréscimos nesta época do ano por causa do início do ano letivo, com a renovação das matrículas e a compra de material escolar. A taxa, no entanto, é a maior desde fevereiro de 2008 (3,68%).

Em transportes, o IPC só foi superado pela variação de janeiro de 2007 (3,81%). As pressões decorreram, principalmente, do reajuste do transporte coletivo e da escassez na oferta de álcool combustível, cujos preços oscilaram em média 12,05% a mais do que no período anterior.

Já as cotações dos itens alimentícios têm sido influenciadas pelo maior volume de chuvas nas regiões produtoras. As verduras tiveram os preços reajustados em 17,14% e as carnes bovinas, em 1,76%, refletindo acréscimos nas peças mais nobres. O contrafilé ficou 5,02% mais caro e a alcatra, 5,07%. Também pesou mais no bolso o consumo de pescados, com alta de 5,21%, e do arroz, com aumento de 4,55%.

A única deflação foi registrada em artigos do vestuário (-0,49%), na segunda queda seguida. Na pesquisa anterior, os preços tinham apresentado variação de -0,42%. Em habitação, a taxa permaneceu igual à da segunda prévia (0,15%).

Nos dois demais grupos, os aumentos ocorreram em índices inferiores aos da segunda prévia: em despesas pessoais, a taxa passou de 0,57% para 0,48%, e em saúde, de 0,29% para 0,14%. (Agência Brasil - Marli Moreira)



Últimas

2021/01/19 » CNI: faturamento da indústria cai pela primeira vez em sete meses
2021/01/19 » Produção de aço caiu 4,9% em 2020, informa o Instituto Aço Brasil
2021/01/19 » Atividade econômica tem alta de 0,59% em novembro, diz Banco Central
2021/01/19 » Atividade industrial desacelera em novembro de 2020
2021/01/18 » Saiba o que é a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO)
2021/01/18 » China contribuiu com mais da metade do superávit comercial do Brasil
2021/01/18 » Produção agropecuária de 2020 alcança R$ 871 bilhões
2021/01/15 » MPT abre inquéritos para avaliar danos sociais do fechamento da Ford
2021/01/15 » BNDES financia segunda usina termelétrica no Porto do Açu
2021/01/15 » IBGE: indústria cresce em dez dos 15 locais pesquisados em novembro
2021/01/14 » Balança comercial do agronegócio soma US$ 100,81 bilhões em 2020
2021/01/14 » Conab estima colheita de 264,8 milhões de toneladas de grãos
2021/01/14 » IBGE: safra de 2021 deve superar recorde de 2020
2021/01/14 » Veja o que pode e o que não pode no Enem 2020
2021/01/13 » BNDES define consórcio que apoiará programa de aceleração de startups
2021/01/13 » Inflação da construção civil atinge 10,16% em 2020
2021/01/13 » Inflação para famílias com menor renda fecha 2020 com alta de 5,45%
2021/01/13 » Inflação oficial fecha 2020 em 4,52%, diz IBGE
2021/01/12 » Ministério pede avanço de reformas para manter fábricas no país
2021/01/12 » Preço da cesta básica aumentou em todas as capitais em 2020

Ver mais »